Após conhecer a medina e a praça Djemaa el Fna durante o dia, demos uma volta seguindo os belos muros de Marrakech até pararmos no portão mais famoso da muralha, o Bab Agnaou.

A caminho do Kasbah, a visão dos muros de Marrakech

Bab Agnaou foi construído pelo sultão Abd al-Mumin em 1150 e é um dos principais acessos ao Kasbah, construído por Yakub al-Mansur. Seu nome significa Portão das Pessoas Negra, uma vez que essa era a porta de entrada usada pelos plebeus, enquanto a aristocracia entrava no Kasbah por outro portão. Ele ainda mantém a arquitetura original. A riqueza e elegância da estrutura e decoração fazem do Bab Agnaou um dos melhores exemplos da arquetetura militar Maghreb.

Bab Agnaou, o imponente portão de entrada para o Kasbah

O Bab Agnaou não é tao trabalhado quanto os portões de Meknès, porém sua arquitetura transmite força e grandeza, com formas quadradas e circulares, formando a característica ferradura de cavalo, vista em quase todas as construções marroquinas.

No alto do imponente portão está uma inscrição dizendo “Entre abençoado pessoa serena“. Em cima, há ninhos de cegonhas que usam sem muita cerimônia a estrutura robusta do Bab Agnaou.

Bab Agnaou serve de base para os enormes ninhos das cegonhas

Passando pelo Bab Agnaou, entra-se no Kasbah e logo se vê do lado direito a Mesquita do Kasbah, conhecida também como el-Mansouria. A mesquita foi construída em 1190 e posteriormente restaurada na dinastia saadiana. Os azulejos verdes que decoram seu belo minarete são da construção original.

Enquanto passava pela mesquita do Kasbah, pude ouvir o chamado para oração e essa foi a vez em que deu para ouvir mais de perto o chamado, mesmo com toda a agitação dentro dos muros do Kasbah. Aproveitei para gravar o melódico chamado.

Mesquita do Kasbah, localizada entre o Bab Agnaou e as Tumbas Saadianas

Continuando o passeio, chegamos às Tumbas Saadianas, localizadas próximo à mesquita. As tumbas, que datam do século XVI, são o mausoléu real onde estão enterrados os membros da dinastia saadiana, que fizeram de Marraquech, a capital do Marrocos durante o período em que governaram, de 1554 a 1669.

A magnífica construção é adornada com mármore italiano e tetos de cedro. Nosso guia brincou dizendo que aquele mármore era feito de açúcar, pois foi trazido em troca da cana de açúcar existente no país.

Interior do primeiro mausoléu das Tumbas Saadianas

Existem dois principais mausoléus formados por várias salas e um jardim externo que os separa. No jardim, ependendo do número de turista, forma-se uma fila para alcançar a porta do segundo mausoléu. O interior das tumbas é maravilhosamente trabalho, com belos detalhes, mostrando todo o cuidado que o marroquino tem em suas construções. As palavras são poucas para descrever a elegância e delicadeza das salas, onde reina o estilo mouro-hispano. É até difícil escolher de onde tirar foto.

Detalhe do interior de uma das salas que formam as Tumbas Saadianas

Arquitetura muito bem trabalhada no interior das tumbas

Sem dúvida, as Tumbas Saadianas é um local que deve ser visitado no Marrocos. Até 1917 elas ficaram esquecidas, porém após serem redescobertas por uma francês e serem restauradas, elas são agora um ponto de grande visitação em Marrakech. As Tumbas Saadianas ficam na Rue de La Kasbah e abrem diariamente das 9:00 as 4:45. O ingresso custa 10 dihans (aproximadamente 1,00 euro).

Deixe aqui seu comentário

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Tópicos recentes