Pomerode é uma cidade agradável e charmosa, mesmo sendo pequena, há vários atrativos. Mas o que a torna mais famosa é sem dúvida a Rota do Enxaimel. É localizada no bairro Testo Alto, uma área rural, porém próxima ao centro da cidade (como eu falei a cidade é pequena). A Rota do Enxaimel possui aproximadamente 16 km.

Nesse caminho, encontra-se a maior concentração de casas em estilo enxaimel existente fora da Alemanha, mesmo porque muitas foram destruídas durante a II Guerra Mundial. São cerca de 70 casas espalhadas ao longo da rota. Muitas delas foram tombadas pelo patrimônio histórico.

A arquitetura enxaimel retrata bem o modo de vida dos imigrantes alemães. Trata-se de uma técnica de construção onde a madeira assume a função estrutural. Os espaços entre a madeira são então vedados com tijolos que ficam aparente. O resultado são casas charmosas com uma aparência única.

Mapa da Rota do Enxaimel

A rota inicia-se perto do Portal Norte, na rua Testo Alto, com a casa Haut, um estabelecimento comercial e possui três alternativas. A primeira, mais curta, vai até a rua Gustav Krahn, retornando pela rua Progresso. A mais longa continua pela Testo Alto até a rua Morro Schmidt, antes de retornar pela rua Progresso, e a terceira, embora não faça parte oficial da rota, é recomendada pois vai até a Casa de Taipa de 1898. Nessa casa, o preenchimento da estrutura foi feito com taipa de mão, deixando as paredes brancas.

Casa de taipa de 1898 no final da rota mais longa do enxaimel

Na volta, a rota passa pelo mais antigo cemitério da cidade, próximo à Igreja de Testo Alto e termina na casa Wachholz-Voigt, a mais antiga casa enxaimel da região, de 1867, onde hoje funciona uma pousada. Cada casa tem o nome da família que a habita, o que dá mais personalidade ainda para a rota.

É muito tranquilo e gostoso andar pelas ruas de terra que compõem a rota, observando as casas com seus celeiros antigos, tudo emoldurado por uma bela paisagem bucólica. Como é área rural ainda vemos bois pastando na grama ao redor das casas e patos e marrecos andando de um lado para o outro sossegadamente. Tudo muito calmo, em uma harmonia perfeita com a paisagem existente no local.

Percorrendo aquele caminho, não tem como não pensar na calmaria que deve ser morar na região, um ambiente de natureza exuberante e muita paz. Afinal, para quem já morou na paulicéia desvairada, fazer o percurso na estrada de chão entre casas e celeiros antigos, é como ir de um extremo ao outro.

Estrada de chão batido na Rota do Enxaimel

Em uma das casas que paramos para fotografar, o proprietário apareceu para conversar e nos contou, em um português carregado de sotaque alemão, que aquela casa tinha 100 anos. Foi construída pelo seu pai e deixada de herança para ele, o filho caçula de muitos irmãos.

Entrada da casa do senhor Wendelin Siewert

Celeiro antigo a ser restaurado com madeiras doadas pela prefeitura

O simpático senhor Wendelin Siewert nos contou sobre sua família, pai, irmãos e filhos, todos habitando em Pomerode, a maioria na região da Rota do Enxaimel. Disse também que ia demolir o celeiro existente em frente à sua casa, do outro lado da rua, porém a prefeitura lhe doou as madeiras necessárias para a reforma com o objetivo de manter o celeiro o mais próximo possível do seu estado original. Isso mostra como a prefeitura age no sentido de manter o patrimônio histórico da cidade, uma atitude bem louvável.

O simpático senhor Siewert fez questão que sua cachorra aparecesse na foto

A rota pode ser percorrida de carro ou de bicicleta, sendo que dá para alugar bicicletas no Centro de Informações Turísticas, localizado no Portal Sul.

 

Casa do Imigrante Carl Weege

Para complementar o passeio pelas casinhas históricas, a melhor opção é visitar a Casa do Imigrante Carl Weege, localizada no alto da rua Frederico Weege, fora da rota. O museu é uma autêntica casa enxaimel decorada com móveis e objetos da época da colonização, incluindo roupas e até mesmo quadros e bordados escritos em alemão. O acervo constitui parte do patrimônio deixado pelo imigrante Carl Weege, que dá o nome para o museu.

Entrada da Casa do Imigrante Carl Weege

Uma linda igrejinha na região ajudando a compor a paisagem ao redor do museu

É muito interessante ver e sentir um pouco sobre como era a vida dos imigrantes nos primeiros anos de colonização, retratada nos móveis antigos, roda d’água, rancho com moenda de cana de açúcar e moinho de fubá de milho.

Quarto de casal no interior da casa

Armário da cozinha com louça da época

Se não bastasse isso, a paisagem ao redor do museu é linda, um local digno de ser visitado sem pressa. O museu é aberto de terça a domingo entre 9:00 e 12:00 e 13:00 e 17:00. O acesso é bem fácil e a entrada é gratuita.

Quarto no sótão cuja escada termina na cozinha

Bíblia antiga escrita em alemão

2 Responses to “Pomerode – volta ao passado com a Rota do Enxaimel e a Casa do Imigrante”

  • Ana R Ramos disse:

    Quero muito conhecer Pomerode. Que lugar magnífico. A gente consegue relaxar Só de olhar as casinhas, a paisagem , imagine caminhando pela estrada de chão batido. Que maravilha!!!

  • Aldenor Filho disse:

    Adorei conhecer está como tb a confeitaria e estou de volta esse ano para conhecer essa famosa Rota. Aldenor – Manaus

Deixe aqui seu comentário

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Tópicos recentes