Archive for the ‘Mochilando’ Category

A Skytrax divulgou a lista dos melhores aeroporto de 2011. Novamente se nota a preponderância dos aeroportos asiáticos, assim como em 2010. A premiação World Airport Awards™ é feita baseada em um pesquisa realizada com 11,38 milhões de participantes de mais de 100 diferentes nacionalidades, cobrindo mais de 240 aeroportos do mundo todo. A pesquisa teve duração de 9 meses.

O grande vencedor foi o Aeroporto Internacional de Hong Kong, eleito como o melhor aeroporto do mundo. Em 2010, ele aparecia em terceiro lugar na pesquisa, mas rapidamente subiu para o topo da lista.  O Aeroporto Internacional de Hong Kong (HKIA) está localizado a menos de cinco horas de vôo para a metade da população do mundo e, hoje em dia, é o terceiro mais movimentado aeroporto de passageiros internacionais no mundo.

Só em 2010, cerca de 50,9 milhões de passageiros passaram por este aeroporto. Além disso, ele ainda possui cerca de 900 vôos diários, conectando 160 destinos através de mais de 95 companhias aéreas.

Substituindo o antigo aeroporto de Kai Tak, o HKIA foi inaugurado em 1998 a 16 milhas no meio do mar. Antes de construir o maior terminal do mundo, os engenheiros tiveram que construir uma ilha artificial para suporta-lo e vários túneis, pontes e estradas para conecta-lo à terra.

Desenhado pelo famoso arquiteto britânico Lord Norman Foster, o HKIA fica localizado em Chek Lap Kok na Ilha de Lantau. O aeroporto está totalmente conectado com as áreas urbanas através de uma cadeia de rodovias, ferrovias e pontes.

Desde sua inauguração, o aeroporto coleciona prêmios, em apenas dez anos, ele ganhou sete Prêmios Skytrax de Satisfação do Cliente. O HKIA funciona em um dos maiores terminais construídos no mundo, 24 horas por dia e é a principal porta de entrada para a China e todo o resto da Ásia. O HKIA também é o principal ponto para as empresas aérea Cathay Pacific Airways, Dragonair, Hong Kong Express Airways, Hong Kong Airlines e Air Hong Kong. Ele também serve como ponto de paragem para várias outras linhas aéreas como Air New Zealand, China Airlines, Vietnam Airlines, Qantas, Virgin Atlantic, United Airlines e Air India.

Visão aérea do Aeroporto Internacional de Hong Kong

Dentre as facilidades oferecidas aos passageiros, pode-se citar a variedade de bancos e casas de câmbio existentes nos terminais e mais de 150 pontos de venda de alimentos e bebidas. Há também um cinema 4D com capacidade para 360 pessoas, um centro chamado Aviation Discovery Centre, onde os passageiros podem se divertir com simulações de vôos, locais para prática de esporte com simulações de futebol, basquete, golf e outros e até mesmo um terminal de jogos Playstation.

Assim dá para esperar até mesmo a  conexão mais longa, sem reclamar. Não é a toa que o HKIA permanece há anos na lista dos 10 melhores aeroportos do mundo.

Aeroporto Internacional de Hong Kong

 

O sempre favorito Aeroporto Changi de Singapura, eleito o melhor aeroporto em 2010, ficou em segundo lugar esse ano. Esse aeroporto é servido por mais de 100 companias aéreas internacionais ligando cerca de 200 cidades em 60 países.

Os demais números do Singapore Changi Airport também são impressionantes, são quase 5.400 aterrisagens e decolagens por semana e mais de 42 milhões de passageiros por ano. Isso corresponde a mais de 7 vezes o tamanho da população de Singapura! Com mais de 40.000 metros quadrados de espaço comercial, o Changi Airport é também o maior local de compras de Singapura.

Que vontade que dá de dar uma esticadinha até Singapura…

Singapore Changi Airport. Fonte: www.2010airportreservations.com

Quanto aos demais aeroportos, Incheon International Airport, Kuala Lumpur e Zurich Airport caíram de posição na lista, sendo que o aeroporto Kuala Lumpur foi do quinto lugar direto para a nona posição no ranking. Apesar isso, esse aeroporto ganhou o prêmio de Melhor Imigração na categoria Serviços. Nada mau, pois todos sabem como pode ser chato passar na Imigração, principalmente quando esse processo é chato e você acabou de chegar de uma viagem de 15 horas…

Este ano, o quinto lugar ficou para o Beijing Capital Airport, que subiu do oitavo lugar devido à continuidade nos planos de melhoramento que o aeroporto já estava fazendo. O Beijing Capital Airport também foi eleito o melhor aeroporto da China.

Arquitetura futurista do Beijing Capital Airport. Fonte: www.fivefootway.com

 

Amsterdam Schiphol Airport eAuckland International Airport também melhoram de posição no ranking. O aeroporto de Amsterdam também foi eleito o melhor aeroporto da Europa ocidental, enquanto o de Auckland também foi eleito novamente o melhor aeroporto da Austrália/Pacífico.

Munich Airport foi o único que permaneceu na mesma colocação, o aeropoto também ganhou o título de melhor aeroporto da Europa. A novidade fica por conta do Copenhagen Airport, que aparece na lista, subindo da 15° posição. A qualidade de serviços e o conforto e ambiente dos terminais foram os principais fatores de maior pontuação para esse aeroporto.

Copenhagen Airport. Fonte: www.toscandinavia.com

 

Brasil

E quanto ao nosso país? O Brasil também aparece nas listas de premiações da Skytrax. Esse ano o Aeroporto Internacional de Guarulhos, Cumbica, foi eleito o terceiro melhor aeroporto da América do Sul, tomando o lugar do Aeroporto de Buenos Aires. O Aeroporto Internacional de Lima permanece em primeiro lugar enquanto o Aeroporto de Guayaquil tomou o segundo lugar do Aeroporto de Santiago.

Esse ranking se manteve o mesmo na premiação por Melhor Qualidade de Serviços, onde Cumbica foi eleito o terceiro melhor da América do Sul.

O Aeroporto Internacional de Guarulhos está localizado a 25 kilômetros de São Paulo e é o aeroporto mais movimentado do Brasil. Em 2010, mais de 26 milhões de passageiros passaram por ele. Todo esse tráfego de passageiros é dividido em 2 terminais com 260 pontos de check-in.

O aeroporto funciona 24 horas por dia, servindo em média 20,5 milhões de passageiros por ano.

Provavelmente, o que ajudou Cumbica a aparecer na lista foi o plano de construção de 2 novos terminais e uma terceira pista, trazendo para o aeroporto a total capacidade para atender as operações de passageiros e de carga.

Saguão de Cumbica. Fonte: www.culturamix.com

O Brasil também se destaca nas outras categorias premiadas pela Skytrax. São Paulo Airport Marriott Hotel ganhou o prêmio de melhor Hotel Aeroporto da América do Sul. O hotel fica a apenas a 5 minutos do maior aeroporto da América do Sul, sendo constantementebem classificado pelos hóspedes, não só pela eficiência global do serviço, mas também pela sua atmosfera descontraída e simpática.

Em quarto lugar na lista, aparece o Luxor Airport Hotel do Rio de Janeiro. O hotel fica localizado no terceiro piso do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, Galeão Antônio Carlos Jobim, a poucos passos das áreas de partida e de chegada.

O Galeão também aparece na lista de premiação por Melhor Aeroporto Regional, em segundo lugar, ficando atrás apenas do Aeroporto de Guayaquil.

O Galeão é considerado a principal porta de entrada para o Brasil, localizado a 20 km ao norte do Rio de Janeiro, na Ilha do Governador, na Baía de Guanabara. Existem dois terminais no aeroporto conectados por uma esteira rolante. O aeroporto possui restaurantes e cafés em ambos os terminais.

Espero que com a Copa e as Olimpíadas, nossos aeroportos melhorem de posição nas premiações da Skytrax.

 

Galeão no Rio de Janeiro. Fonte: finestrino.com.br

 

Minha primeira experiência como mochileira foi viajando sozinha. Acompanhada apenas pela minha mochilassauro de 68 litros, uma companheira fiel de jornada.

Muitos me diziam que era loucura viajar sozinha, mas há muito que eu planejava uma viagem para a Europa Inicialmente eu iria fazer um curso de francês e depois mochilar por um período de 3 meses, logo após terminar meu doutorado. Porém, uma proposta de emprego em São Paulo, adiou meus planos em um ano, bem como reduziu consideravelmente a duração da viagem para apenas 20 dias.

A redução de 70 dias em meus planos não diminuiu minha vontade. Ao contrário, apenas aumentou o desejo e a persistência em planejar os mínimos detalhes, de forma que essa viagem fosse memorável, mesmo que fosse de tão pouca duração.

Escala em Zurich

A diversão começou desde o aeroporto. Na hora de embarcar deu aquele frio enorme na barriga. “Cruzar o Atlântico sozinha? Em que eu estava pensando?” Pensamentos que duram meio segundo, pois a vontade de ir é bem maior. O que durou mais tempo mesmo foi a despedida do noivo (hoje meu marido e pessoa que mais me apóia em meus sonhos de conhecer o mundo). Ficamos tanto tempo nos despedindo que quase perdi o avião. Brincadeira, mas que fui a última a entrar, isso foi verdade.

Diário de viagem

O avião decola e começo a escrever em meu diário de viagem, outro companheiro fiel, meu caderninho cuja capa é um Betty Boop glamourosa.

Enquanto o piloto fala alemão sem parar, provavelmente sobre o tempo de vôo, altitude, velocidade, etc etc, eu sem nada entender olho pela janela e vejo então uma lua cheia, dançando alegremente no céu negro.

Brilha tanto que parece querer entrar pela janela, como se desejasse me abraçar, dizer alguma coisa talvez.

Uma lua sorridente brincando no céu tão escuro. Uma dama curiosa que observa atenta e ilumina.

Eis ai um bom presságio.

A lua me acompanha, deixando de lado a solidão de viajar sozinha em meio a tantos suíços calados pensativos.

Viajar sozinha me faz lembrar o arcano  O Louco do tarot. Uma figura enigmática que inicia sua jornada sem mesmo perguntar o porquê de se fazer aquilo.

O Louco, Tarot de Marselha

A Jornada descrita no tarot, a jornada de um homem. Isso me faz pensar também no principal desafio do Louco. O Arcano é representado carregando uma sacola, e é ai que reside seu desafio, o nosso desafio.

No final da jornada, sua sacola pode retornar cheia ou vazia.

Relembrando que a vida é um ciclo (uma espiral, como diziam os celtas) que nunca termina, eu, assim como o Louco na jornada descrita pelo tarot, vou retornar ao início. E então como estará a minha sacola? Cheia? Vazia? Diferente? Modificada?

Esse é o desafio e a pergunta de quem faz uma viagem sozinha (ou mesmo acompanhada). O que deixar, o que levar, o que trocar, o que aprender e o que desaprender.

Enquanto me perco nesses pensamentos, percebo tardiamente que não vejo mais a lua em meio a escuridão celeste. Talvez ela durma agora, ou talvez tenha ido observar outros viajantes.

Quando o dia amanhece, o calado passageiro ao meu lado abre a janela e vejo a paisagem, montanhas a perder de vista. Uma imagem que transmite poder e paz. Meus pensamentos agora são “Europa!”. Ligo a TV à minha frente e confirmo, sim, são os Pirineus da Espanha. Não demora tanto agora, logo o avião pousa em Zurique.

Solidão? Sim, viajar sozinha pode ser solitário em alguns momentos. Nesses casos, uso tempo a meu favor, para escrever meu diário, observar as pessoas na rua, enquanto descanso em alguma praça, rever as fotos mais importantes e descrevê-las com cuidado em meu diário.

Viajar sozinha é uma forma de você perceber melhor seus sentimentos, observar melhor o ambiente ao redor, e também de valorizar mais as pessoas que estão ao seu lado e que, mesmo do outro lado do oceano, permanecem tão próximas, residentes fixas em seu coração.

E não é tão solitário assim, albergues são ótimos lugares para se fazer amizades e conhecer gente do mundo inteiro. Cada pessoa com seus planos, indo e vindo para lugares tão diferentes do seu próprio itinerário. Cada pessoa viajando por um motivo, e ao mesmo tempo todos viajando pelo mesmo motivo.

Eu e minha mochilassauro refletidas em Amsterdam

Outra vantagem é que você pode fazer seu próprio roteiro, algo impensável quando se viaja de excursão ou pacotes próprios. Já viajei assim quando era adolescente e inexperiente. Até perceber a chatice que é alguém te dizendo qual será o passeio do dia.

Viajando sozinha eu posso me perder em meus trajetos, se algo me chama mais a atenção do que o caminho previamente pensado.

Posso passar horas em um museu magnífico como o Altes Museum em Berlim ou descasar preguiçosamente no Jardim Du Luxembourg em Paris, vendo o dia passar lentamente enquanto ouço uma música ou como um queijo chèfre.

Viajar como mochileira é sentir liberdade, é ter aventura e muitas surpresas (mesmo que seja o trem mudando de plataforma no último minuto e isso ser anunciado somente em alemão).

Viajar sozinha é um aprendizado, uma experiência única, um crescimento pessoal intenso e prazeiroso.

Que delícia ser dono do seu tempo e da sua viagem!