Posts Tagged ‘Meknès’

No último dia em Fès, arrumamos nossa bagagem e saímos cedinho rumo à tão esperada Marrakech. Esse era um dia muito especial no Marrocos, e acredito que em todos os países muçulmanos também, afinal era a festa religiosa conhecida como O Sacrifício de Abraão ou a Festa do Cordeiro, fazendo referência à passagem bílbica onde Deus pede para Abraão sacrificar seu filho em honra a Ele, porém, na hora do sacrifício, um anjo é enviado e entrega a Abraão um cordeiro para ser sacrificado no lugar de seu filho Isaque (Gênesis, 22:1-19).

Desde nosso primeiro dia no Marrocos, em Casablanca, que víamos pessoas carregando cordeiros em carros, camionetes, carrinhos de mão e até mesmo nos próprios ombros. A mesma cena se repetia várias e várias vezes em Rabat, Meknès e Fès. Isso obviamente despertou minha curiosidade e foi então que descobri, que toda aquela movimentação era na verdade os preparativos para a festa religiosa, assim como as compras de Natal para nós.

Nas ruas de Casablanca, o comércio de cordeiros por todos os lados

A medida em que se aproxima a data, o comércio de cordeiros fica ainda mais intenso. A movimentação dentro da medina aumenta ainda mais, com pessoas agitadas comprando todos os preparativos para a grande festa.

No dia em si, as pessoas parecem mais calmas, mais tranquilas, mais centradas na festividade. Logo cedo, elas tomam um café da manhã bem especial e vão para as mesquitas participarem do culto. Os homens se dão quatro beijos para desejar boas festas. As crianças ganham roupas e sapatos novos, doces, presentes e dinheiro. Nesse ponto, a festa religiosa é parecida com o Natal com relação à importância da data e à troca de presentes. No entanto, as similaridades param por ai.

Em Casablanca víamos várias camionetes carregando cordeiros para diversas famílias

Quando as pessoas voltam da celebração na mesquita, elas dão início ao sacrifício do cordeiro e ai entra a parte que, para nós ocidentais, é difícil de compreender. As famílias vão então para a frente de suas casas e lá sacrificam o animal. Depois disso o penduram de cabeça para baixo para que todo o sangue escorra. O significado da festa está justamente no sacrifício do cordeiro, por isso não se pode apenas comprar a carne, deve-se comprar o cordeiro vivo e sacrificá-lo na frente da casa. Isso para reviver o sacrifício de Abraão, patriarca de todos os muçulmanos, que iria ceder seu filho a Deus. Sendo assim, as pessoas fazem esse ritual para atrair as bençãos de Deus para sua família e descendentes, uma vez que eles próprios são descendentes de Abraão. Assim, eles mantém vivo o compromisso de Abraão e sua descendência para com Deus.

Eu, particularmente, apesar de respeitar a fé e crença de cada um e de entender o forte significado religioso, não me senti bem com a questão do sacrifício. Quem me conhece, sabe como sou apegada a bichos e por isso decidi não olhar para nenhuma casa onde estivesse acontecendo o sacrifício. Essa atitude me rendeu muitas horas de viagem sem olhar para a estrada, pois por todos os lados haviam famílias comemorando a data.

Um rapaz leva seu cordeiro em um carrinho de mão em Meknès

Mesmo para eles é difícil encarar o ato de matar o cordeiro, principalmente para as crianças. Esse é o motivo pelo qual elas recebem mimos como presentes e doces, afinal os pequenos se apegam ao cordeiro nos dias em que precedem a comemoração e acabam sofrendo quando ele é morto. Alguns adultos também ficam sentidos. Nosso guia me contou que ele ainda lembra de quando era criança e via o cordeiro sendo morto. Ele também mencionou que, mesmo agora sendo adulto, não tem coragem para sacrificar o cordeiro. Quando isso ocorre,  um vizinho é chamado para executar a tarefa. Isso não deixa de ser um bonito ato de solidariedade, esquecendo de que se trata do ato de matar um bicho.

Outro ato de solidariedade religiosa é o fato de que famílias ricas costumam comprar dois 2 cordeiros, um para elas e outro para doarem a uma família pobre que não tem condições de adquirirem um. Dessa forma ninguém fica sem comemorar o dia religioso.

A mesma cena se repete nas ruelas da medina de Fès

No dia da festa mesmo não se come a carne, só no dia seguinte. Esse também é um dos motivos pelo qual o café da manhã é bem reforçado. No dia festivo, apenas o sangue é derramado lembrando o ato de Abraão, nos demais dias que se come a carne e depois aproveita até mesmo o couro do carneiro.

A Festa do Cordeiro não tem data fixa para ocorrer, assim como nossa Páscoa. Ela corresponde  ao final do ano muçulmano. Nesse caso, o  ano que começava para eles era o 1432, enquanto que para nós era novembro de 2010. O ano 1 islâmico corresponde ao nosso ano 622. Na verdade, eles seguem o calendário lunar, ao contrário de nós que seguimos o calendário solar ou gregoriano. No Islam, o ano começa com a fuga de Maomé de Meca para Medina (Hegira). O calendário possui 12 meses como o nosso, porém são mais curtos, com 30 ou 29 dias, o que dá 355 ou 354 dias, 11 dias a menos que o calendário gregoriano.

De um jeito....

....Ou de outro, o cordeiro vai para casa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vivenciar essa festa religiosa foi bom pelo fato de poder conhecer mais da cultura e fé do marroquino, porém para ser sincera foi um momento bem difícil para mim, por amar aos bichos (embora eu coma carne) e também pelo forte sentido religioso, envolvendo filhos e sacrifício. Mas de tudo, ou quase tudo, tiramos uma boa experiência e lição de vida.

À tarde, as casas, ruas e estradas ficaram silenciosas e aparentemente vazias. No final do dia, somente as viúvas dos carneiros permaneciam nos campos.

Ao final do dia, somente as viúvas dos cordeiros restam nos pastos na beira da estrada

 

 

 

Detalhe de uma coluna coríntia em Volubilis

No post anterior, falei sobre o sítio arqueológico de Volubilis desde a entrada até o final da Decumanus Maximus, a principal via leste-oeste das cidades romanas. Agora partiremos desse ponto até a saída de Volubilis.

Ao final da Decumanus Maximus, encontra-se a Maison à l’Ephèbe (Casa de Éfebo), que recebeu esse nome devido à estátua de bronze de um jovem (éfebo) encontrada em suas ruínas e hoje em exposição no museu de Rabat.

O desenho da casa é muito semelhante à Casa de Orfeu, com um átrio central, quartos privados e públicos e uma prensa de azeite na parte traseira. Essas prensas, aliás, eram bem comuns em Volubilis, já que um dos principais cultivos existentes era de olivas.

O mosaico na casa mais conhecido é uma representação de Baco, o deus do vinho, em uma carruagem puxada por panteras.

Nesse ponto, a Decumanus Maximus cruza com a Cardus Maximus, que era a principal via norte-sul das cidades romanas. Era nessa via que se encontravam as principais construções como fórum, capitólio e basílica.

Um fator interessante da Cardus Maximus era que essa via era sempre direcionada para a próxima cidade romana, e assim sucessivamente, até chegar em Roma. Daí se originou o ditado “Todos os caminhos levam à Roma“.

Neste cruzamento, encontra-se o belíssimo Arco Triunfal ou Arco de Caracalla, construído em 217 DC em homenagem ao imperador Caracalla. O arco relativamente preservado possui colunas coríntias feitas com mármore importado. Em cada pilar encontram-se medalhões esculpidos que retratam provavelmente o imperador Aurelius Antoninus (Caracalla) e sua mãe Julia Augusta, cujo nome também está nas inscrições acima do arco.

Belo Arco de Caracalla no cruzamento da Decumanus Maximus com a Cardus Maximus

O propósito do arco era claramente o de mostrar a onipotência de Roma e de seu imperador aos olhos das populações árabes. As inscrições acima do arco exaltam as virtudes e o poder do imperador Caracalla e de sua mãe Julia Augusta.

Detalhe das inscrições existentes no alto do Arco de Caracalla

Logo ao lado do Arco de Caracalla está a Maison au Chien (Casa do Cachorro), que recebeu esse nome devido à estátua de bronze de um cachorro encontrada no local. A casa é facilmente reconhecida por ter em seu interior uma pedra com um orgão masculino esculpido. A escultura servia para indicar o caminho para o bordel, um tipo de casa existente em todas as cidades romanas. Os bordéis eram identificados por sinais como esse, pintados ou esculpidos, sempre apontando em direção ao estabelecimento.

Também em frente ao Arco de Caracalla e a Maison au Chien, encontram-se as Termas, onde ficavam os banheiros públicos.

Termas romanas existentes no centro de Volubilis, em frente ao Arco de Caracalla

Os banheiros romanos geralmente são reconhecíveis por possuírem lugares para se encostar, como assentos, por onde passava água corrente por baixo para levar os resíduos. Os assentos eram distribuídos de forma cicular. Os menores no interior eram destinados para mulheres e crianças, enquanto os maiores no exterior eram para os homens.

Imagino que esses banheiros públicos não deviam ser nada agradáveis nem higiênicos. Segundo o guia, a água que corria por baixo continha rosas com o objetivo de mascarar o odor. Arghhh!

Guia mostrando como as pessoas se sentavam nos banheiros públicos

Continuando a caminhada pela Cardus Maximus, chegamos na Maison au Desultor (Casa do Atleta ou Casa do Acrobata), onde há mosaicos se referindo à vida cotidiana de Volubilis. Um deles retrata um acrobata em cima de um cavalo, outro mostra o desenho de peixes com a inscrição Piscat (pesca) em cima.

Mosaico mostrando um acrobata sentado de costas em um cavalo

Chegamos agora nas principais construções romanas em Volubilis. A primeira delas é o Fórum ocupando uma área de 1300 metros². O Fórum consistia na principal base da vida administrativa, política e religiosa da cidade. Era no Fórum que eram feitos discursos em homenagens a algum nobre falecido ou ao imperador.

Em um dos lados do prédio ficava o templo e no outro, a Basílica. O local era rodeado de muitas estátuas de mármore ou bronze, porém hoje em dia restam apenas os pedestais das mesmas.

Ruínas do Fórum, centro da vida política, administrativa e religiosa da cidade

A Basílica estende-se por cerca de 1000m². Sem dúvida, esta é a construção que mais chama a atenção em Volubilis. Logo da entrada já é possível ver suas imponentes ruínas.  Era na Basílica que aconteciam as audiências  judiciárias e a administração da cidade, dirigida por sete juízes.

Este é um dos locais mais bonitos de Volubilis que fornece um belo exemplo da arquitetura romana, além de mostrar claramente como funcionava a parte política e administrativa da cidade na época.

Basílica de Volubilis, um dos principais prédios da cidade romana

Logo atrás da Basílica está o Templo Capitolino, construído em honra do imperador Macrinus em 217 DC.  O templo ficava em um espaçoso pátio pavimentado, cercado de vários  pórticos. Ao pé da escadaria ficava o altar retangular para os sacrifícios.

O Templo Capitolino possui quatro colunas na frente que foram  magnificamente restauradas e duas outras na parte posterior.

Imponentes ruínas do Capitólio com um lindo ninho de cegonha em uma das colunas

Chegamos agora ao final da Cardus Maximus e da visita aos principais pontos de Volubilis.

Como dá para notar, vale muito a pena visitar Volubilis. Esse grande sítio arqueológico merece ser explorado calmamente, pois há várias casas, mosaicos, ruas, arcos e os belos edifícios públicos como a Basílica, o Fórum e o Capitólio. Volubilis nos presenteia com uma mostra muito completa do que era uma cidade romana na época, sua organização, mosaicos e arquitetura.

Como acontece em vários outros sítios arqueológicos, muitas das peças encontradas no local estão dispersas por vários museus no mundo. Algumas peças porém permanecem no Marrocos, no Museu Arqueológico em Rabat.

Infelizmente também, muitos dos mármores existentes nas construções foram retirados a mando do sultão megalomaníaco Moulay Ismail para as suas construções em Meknès, contribuindo para a depredação do local. Além disso, vários prédios que ainda estavam de pé acabaram por ruírem devido ao terremoto de Lisboa em 1772.

Uma das muitas oliveiras existentes no local, principal cultivo de Volubilis (não caiam na tentação de provar uma, são terrivelmente ruins...).

O simpático guia local que nos acompanhou lamentou profundamente que Volubilis não está tão preservada quanto deveria e completou falando que ainda tem muito o que explorar no local, pois, na verdade, menos da metade de todo o sítio foi escavado.

Fico imaginando quanta riqueza e história ainda estão escondidas abaixo de toda aquela imensa área a ser escavada.

Ruínas de Volubilis rodeadas pela bela paisagem das Montanhas Atlas.

O sítio arqueológico de Volubilis, assim como o Heri es Souani de Meknès, foi usado como cenário para o filme de  Martin Scorsese, A Última Tentação de Cristo.

O local é aberto diariamente ao público entre 9:00 e 12:00 e depois das 14:30 às 18:00. O ingresso custa 20,00 dihans, aproximadamente 2,00 euros.

Mais informações:

Site de Volubilis

Após conhecer Meknès, fui para Volubilis, um sítio arqueológico, protegido pela UNESCO desde 1997. A cidade que ali existia pertencia ao Império Romano,  porém, sua origem parece ser ainda mais antiga. Algumas escavações feitas em 1915 revelaram que o local já era habitado na Idade do Ferro e no período Cartagiano no século 3 AC.

Com a dominação romana, em 45 DC,  o local ganhou as características típicas da urbanização das cidades romanas: muralhas, fórum, capitólio e basílica. A cidade aumentou de tamanho e ganhou uma grande malha de ruas em 169 DC.

Como muitos lugares no Marrocos, existem guias locais na entrada oferecendo seus conhecimentos. Nesse caso, compensa aproveitar a presença do guia, pois ele nos mostra detalhes que passariam despercebidos ou seriam interpretados erroneamente. Os guias falam inglês, francês, espanhol e árabe.

Volubilis fica a apenas 33 km de Meknès e 4 km de Moulay Idriss. É possível se hospedar em qualquer uma dessas cidades e de lá pegar o Grand Taxi para até Volubilis. Esses taxis são do mesmo tipo existentes nas demais cidades do Marrocos e não saem muito caro.

As ruínas que se vê hoje em dia são dos séculos II e III DC. Estima-se que em seu auge, Volubilis tinha uma população de cerca de 20.000 pessoas. A cidade era o posto mais afastado de Roma e fornecia ao Império olivas e trigo, além de animais selvagens como leões e ursos do Atlas para os jogos nas arenas. Foram tantos animais enviados à Roma, que o urso do Atlas, único urso da África, entrou em extinção. O último a ser visto foi em 1867, na fronteira entre Marrocos e Argélia.

Ruínas do templo com as montanhas Atlas ao fundo

A entrada  para a cidade romana é feita pela porta sudeste. De lá dá para ver a cidade sagrada de Moulay Idriss e seu formato de camelo deitado. A paisagem ao redor também é muito bonita, com as montanhas Atlas ao fundo.

Começamos a caminhada pelo sítio arqueológico andando por entre as ruínas do Templo dedicado a Saturno, deus do tempo (Cronos para os gregos), porém, o templo parece ter sido um local de adoração para os cartagianos também, pois várias oferendas votivas foram descobertas durante as escavações.

Ruínas de um dos templos encontrados em Volubilis

Passando pelas ruínas, chega-se à rua do Aqueduto construído ao final do primeiro século DC. O aqueduto coletava água de uma fonte localizada a cerca de 1 kilometro da cidade. Dele saiam tubulações que forneciam água para as casas particulares, fontes e banhos e banheiros públicos.

No alto da rua do Aqueduto, encontra-se a Maison au Cortège de Vénus (Casa da Procissão de Vênus), onde estão um dos mais preservados mosaicos de Volubilis. Não se pode entrar na casa, mas é possível ver os mosaicos andando ao redor dela. O primeiro mosaico mostra a cena da deusa da caça, Diana, sendo surpreendida durante o banho pelo caçador Actéon. Irritada com a intromissão, Diana transforma o descuidado caçador em um cervo que acaba sendo devorado pelos próprios cães.

Belíssimo mosaico representando a cena de Diana sendo surpreendida no banho por Acteón

O segundo mosaico mostra a cena de Hylas sendo seduzido e levado pelas ninfas do lago. Hylas era um rapaz amado por Hércules que foi raptado pelas ninfas da água quando foi matar a sede em um rio.

A casa de Vênus é uma das maiores de Volubilis (mais de 1000 m²) e mostra o típico arranjo de casas romanas. A entrada principal conduz a um vestíbulo de grande porte que se abre diretamente para um pátio com piscina. Ao redor do pátio estão os quartos e salas de recepção, estar e jantar. Não se sabe quem morou nessa casa, mas com certeza fazia parte da alta classe de Volubilis, pois foram encontrados os bustos de Cato e Juba II, personagens importantes na história de Roma.

Detalhe da Maison au Cortège de Vénus, mostrando algumas paredes e o chão enfeitado com o mosaico de Diana e Acteón

Chegamos agora na rua principal de Volubilis, a Decumanus Maximus, essa avenida existia em todas as cidades romanas, sendo a principal via que ligava a cidade na direção leste-oeste.  Nela se encontravam as melhores mansões e seus belos mosaicos. No topo da Decumanus Maximus se vê a Porta de Tanger que data de 168 DC e servia como porta de entrada para Volubilis.

Porta de Tanger vista da Decumanus Maximus, o portal servia como entrada para a cidade

Continuando pela Decumanus Maximus, iremos passar por várias das principais mansões de Volubilis. Logo no início se encontra o Palais de Gordien, facilmente reconhecido pela quantidade de colunas. O local era a residência dos procuradores que administravam a cidade. Infelizmente, hoje se encontra bem depredado e sem mosaicos, graças aos saques comandados por Moulay Ismail de Meknès.

Colunas que restaram do Palais des Gordien

Na sequencia, ao lado direito, tem-se as casas Maison des Fauves, com mosaicos de leões, panteras e tigres, Maison du Bain des Nymphes e Maison de Dionysos. Bem de frente, do outro lado da rua, está a Maison des Néréides. Na Maison de Dionysos, o deus do vinho é representado nos mosaicos coroado com folhas de videira. Além do deus, os mosaicos também fazem alusão às quatro estações do ano.

Detalhe do mosaico na Maison de Dionysos, o deus do vinho conhecido também como Baco.

Após, tem-se a Maison aux Travaux d’Hercule (Casa dos Trabalhos de Hércules). Nessa casa, os mosaicos, distribuídos em painéis ovais, representam os 12 trabalhos que Hércules executou: Matar o leão de Neméia, matar a Hidra de Lerna, capturar o javali de Erimanto, capturar a corsa de Cerinéia, que tinha os cascos de bronze e os chifres de ouro, expulsar as aves do lago Estinfale, na Arcádia, limpar os estábulos do rei Augias, da Élida, em um só dia, capturar o touro selvagem de Minos, rei dos cretenses, capturar os cavalos devoradores de homens do rei Diomedes da Trácia, obter o cinto de Hipólita, rainha das Amazonas, as mulheres guerreiras, buscar o gado do monstro Gerião, levar as maçãs de ouro do jardim das Hespérides para Euristeu e, por fim, capturar Cérbero, o cão de três cabeças que guardava os infernos.

Na casa de Hércules também há mosaicos com motivos para espantar o mau olhado, como golfinhos, tridentes e a suástica.

Detalhes do belo mosaico existente na Casa dos Trabalhos de Hércules

A casa vizinha é a Maison au Cavalier (Casa do Cavaleiro), com o parcialmente destruído, porém belo, mosaico de Dionísio descobrindo sua amada Ariadne dormindo na praia de Naxos. A casa ganhou esse nome por ter sido o local onde foi encontrada, em 1918, uma estátua de bronze de um cavaleiro. A casa apresenta um formato quadricular com uma área total de 1700 m².

Olhando o estraordinário mosaico, fica-se imaginando como era feito na época um trabalho tão detalhista e perfeito.

Mosaico incompleto mostrando Dionísio e Ariadne na praia de Naxos

Atravessando uma porta, entramos na casa vizinha, a Maison aux Colonnes (Casa das Colunas), parcialmente restaurada. A casa não possui mosaicos, no centro há uma grande piscina circular rodeada por colunas retorcidas, as quais deram origem ao seu nome.

É possível entrar nessa casa e andar ao redor da piscina.

Interior da Maison aux Colonnes com as colunas retorcidas ao fundo

Chegamos agora ao final da Decumanus Maximus, no cruzamento com a Cardus Maximus, próximo ao Arco de Caracalla. Essa outra parte do sítio arqueológico de Volubilis inclui alguns dos prédios mais bem conservados e será descrita no próximo post.

Moulay Idriss fica no caminho entre Meknès e a cidade romana de Volubilis. É uma cidade histórica para os marroquinos pois é onde se encontra o túmulo de Moulay Idriss, o fundador da primeira dinastia árabe do país, conhecida como idrissidas. Além disso, a cidade também é sagrada, pois Moulay Idriss era descendente direto de Maomé, filho de Fátima.

A cidade sagrada Moulay Idriss

Moulay Idriss procurou refúgio no Marrocos após ascenção ao poder dos Abácidas, inimigos de sua familia. No Marrocos, ele obteve apoio das tribos berberes, sendo proclamado iman (conselheiro da fé muçulmana) em 789.

Uma após a outra, todas as principais tribos do Marrocos juraram lealdade a ele. Porém, acabou sendo assasinado por seus inimigos Abácidas. Desde então, a cidade se tornou local de peregrinação para os marroquinos, que vêm em grande número ao longo do ano, em particular na ocasião da festa conhecida como moussem ou peregrinação, comemorada em agosto.

A peregrinação à Moulay Idriss vale como a ida até Meca para os muçulmanos pobres sem condições financeiras para viajar até a cidade sagrada do Islã.

Formato de camelo da cidade Moulay Idriss, vista do sítio arqueológico de Volubilis

Curiosamente, Moulay Idriss tem o formato de um camelo deitado. A cidade é composta por 2 distritos: Tasga e Khiber. As casas com seus telhados verdes são construídas umas em cima das outras. As ruas entreitas levam ao mausoléu de seu fundador, bem no centro da cidade. Um minarete cilíndrico moderno, decorado com azulejos verdes que reproduzem versos do Corão, contrasta com o estilo predominante da arquitetura.

Apesar de todo o seu significado para o Marrocos, Moulay Idriss não tem muito a oferecer aos turistas ocidentais, uma vez que não é permitida a entrada de não muçulmanos nos santuários.

 

 

 

Um dos primeiros lugares que visitei em Meknès e também um dos lugares mais interessantes da cidade é o Heri es Souani, um complexo de 3 diferentes construções localizado a cerca de 500 metros ao sul do palácio real.  O Heri es Souani funcionava como celeiro e estábulo e foi construído no início do século 18 na época do reinado do cruel e megalomaníaco sultão Moulay Ismail.

Entrada do Heri es Souani, o celeiro construído por Moulay Ismail

A construção possui dimensões colossais,  é composta por 23 naves suportadas por pilares e arcos. Existem 10 grandes salas de teto abobadado com dimensões de mais de 25 metros de comprimento por 10 metros de largura.

O lugar era usado para estocar alimentos e por isso as paredes são bem grossas, de forma a evitar a degradação em virtude da baixa  temperatura mantida no local, evitando assim as  oscilações de temperatura da região. Devido a isso, o interior do Heri es Souani é bem frio. É recomendável entrar com uma blusa de frio para não se sentir desconfortável lá dentro.

Interior mostrando uma das salas principais do celeiro

Detalhe mostrando a espessura das paredes que mantinham a temperatura sempre baixa no interior do Heri es Souani

Uma parte da construção contém os poços rodas de água, puxado por animais, formando um grande reservatório que ganhou o nome de “Dar El Ma” (Casa da Água). Esse reservatório servia para abastecer o prédio e os jardins do harém do sultão, com o intuito de divertir as suas 500 esposas e 800 filhos.

Roda de água que abastecia os jardins do sultão

Ao fundo do celeiro fica o estábulo, construído para ter uma capacidade para 12.000 cavalos, pertencentes ao sultão. Essa parte está um pouco destruída, são ruínas abertas já desgastadas pelo tempo e má conservação.

Ruínas do estábulo, onde antes ficavam os 12.000 cavalos do Moulay Ismail.

Todo o local é muito interessante, vale muito a pena visitar. Ao passar por sua porta de entrada, tem-se  a impressão que está voltando ao passado. Não é a toa que o Heri es Souani foi usado como cenário para a gravação dos filmes “A Última Tentação de Cristo” e “Jesus de Nazaré”.

O prédio foi restaurado e é totalmente aberto à visitação. A entrada custa 10 dihans, o equivalente a 1 euro. Dá para fazer um tour virtual no site da Panoramaroc.

Koubba el Khayatine

Koubba el Khayatine (ou Qoubet Al Khiyatin), também conhecido como Salão dos Embaixadores, é o local onde o imperador Moulay Ismail recebia os embaixadores estrangeiros. Seu nome significa Casa dos Alfaiates, devido aos estabelecimentos de alfaiates que se instalaram ao redor do prédio.

No subterrâneo há uma série de salas conhecidas segundo a tradição popular como Prisão dos Escravos Cristãos. Estes eram trazidos prisioneiros pelos piratas patrocinados por Moulay Ismail para trabalharem nas inúmeras construções de Meknès. No total, são sete hectares de câmaras e passagens subterrâneas iluminadas apenas pelos buracos existentes na parte superior.

Koubba el Khayatine e a Prisão dos Escravos Cristãos

Várias lendas cercam a construção, uma delas conta que os escravos que morriam durante o trabalho eram enterrados nas próprias paredes que estavam construindo, porém nenhum corpo humano foi encontrado, mesmo nas paredes que viraram ruínas. Outra lenda local diz que, abaixo do Koubba el Khayatine, existem 3 túneis subterrâneos que levam para Fès, Volubilis e Médio Atlas.

O Koubba el Khayatine e a Prisão dos Escravos Cristãos são abertos diariamente das 9 até meio-dia e depois das 15 até 18 horas. O mesmo ingresso vale para os dois lugares e custa 10 dihans.

Mausoléu de Moulay Ismail

Um dos locais mais exuberantes de Meknès é, sem dúvida alguma, o Mausoléu de Moulay Ismail, localizado próximo ao Koubba el Khayatine e ao portão Bab er-Rih. Assim, como o Mausoléu de Mohammed V em Rabat, a entrada é permitida para não muçulmanos, com exceção de sexta-feira.

O mausoléu foi construído quando o imperador ainda estava vivo e, desde sua morte, o local é visto como um exemplo do explendor vivido pela cidade durante seu reinado e também como um local de adoração, aonde muitas mulheres vão em busca de baraka, ou seja, boa sorte e fortuna.

Entrada do Mausoléu de Moulay Ismail

É difícil entender a adoração por um imperador conhecido por sua crueldade e excessos, porém, para os marroquinos, Moulay Ismail é lembrado por suas realizações, por trazer a paz e prosperidade ao país, após um período de anarquia, e expulsar os espanhóis de Larache e os britânico de Tânger. Tudo isso aliado ao fato dele ser tido como o fundador da dinastia Alaouita e um grande seguidor do islamismo.

Sala principal do santuário, formada por uma fonte cercada por 12 colunas e belos mosaicos feitos com zellij.

Bom, independente da forma como o sultão é visto, o mausoléu é digno de admiração. Ao passar pelas portas da entrada, logo se chega a um grande átrio com uma fonte no centro. Todas as paredes do átrio são decoradas com belos desenhos em zellij, os pequenos azulejos coloridos.

Por ser um lugar sagrado para os marroquinos, antes de entrar nas salas do santuário é necessário tirar os sapatos, que permanecem na entrada.

Beleza e delicadeza dos detalhes que enfeitam as paredes do interior do mausoléu.

O interior é formado por uma sucessão de salas ricamente trabalhadas, o pátio interior é decorado com deslumbrantes mosaicos, as portas são cuidadosamente esculpidas, as fontes são de mármore, o teto de madeira de cedro e os pisos cobertos por suntuosos tapetes.

Lustres de cobre estão espalhados por todas as salas do mausoléu

A última sala é onde se encontra a lápide de mármore branco de Moulay Ismail. Os outros dois túmulos são de seu filho e sucessor, Moulay Ahmed Ad-Dahab e do sultão Moulay Abderrahman Ibn Hisham, ao lado direito está o túmulo de Lalla Khanty, sua primeira esposa. O chão é totalmente coberto por magníficos tapetes.

Nesta sala não é permitida a entrada de não muçulmanos.

Sala onde está o túmulo de Moulay Ismail ladeados pelos de seus filhos e sua primeira esposa

A entrada é gratuita. O mausoléu é aberto diariamente entre 8:30 e 12:00 e das 14:00 as 18:00. Na sexta-feira, é permitida a entrada somente de muçulmanos.

Campo de Golfe Real

Bem próximo ao Mausoléu de Moulay Ismail, passando o portão Bab er-Rih e virando à esquerda, encontra-se a entrada, vigiada por soldados da guarda real, do Campo Real de Golfe, inaugurado em 1969.

Discreta entrada do Campo de Golf Real

O campo de 9 buracos fica na área dos jardins do palácio real, completamente fechado dentro das enormes muralhas imperiais. O jardim do local é repleto de milhares de flores, laranjeiras, oliveiras, palmeiras, além das plantações de ameixas, nêspera e damasco.

O campo foi recentemente aberto ao público. Mesmo os não-jogadores podem entrar e ter acesso à casa do clube para tomar uma bebida ou fazer uma refeição. A taxa de entrada para um único dia é de 150 dihans.

Meknès possui quase 40 km de muralhas construídas por Moulay Ismail. As muralhas são pontuadas por suntuosos portões, como Bab El-Khemis, Bab Bardaïne, Bab Al-Mansour, Bab M’Rah, Bab Rih, Bab Nouar Jamaa e Bab Bordj, apenas para citar alguns. Os portões são verdadeiras obras de arte, construídos com todo o cuidado relacionado aos desenhos e detalhes, algo típico do Marrocos, almejando obter a aprovação tão necessária do sultão Moulay Ismail.

Um trecho das muitas muralhas de Meknès

 

Bab el Khemis

Esse portão parece ser injustamente negligenciado em alguns guias, pois não é citado nem no Lonely Planet nem no Rough Guide. Bab el Khemis é um dos portões mais famosos da muralha de Meknès. Atualmente o portão e a muralha ao redor estão repletos de buracos, mas isso se deve ao processo de restauração. Vários monumentos espalhados por todo o Marrocos estão sendo restaurados ou à espera de restauração com a ajuda da UNESCO, já que muitos monumentos fazem parte da lista de patrimônio da humanidade, incluindo a cidade imperial de Meknès.

Bab el Khemis ou Bab Lakhmis só perde em tamanho para o Bab el Mansour, o principal portão de Meknès. Seu nome (Porta de Quinta-feira) se deve à feira que ocorria no local toda quinta-feira.

Beleza e imponência do Bab el Khemis

 

A porta se localiza na entrada principal do bairro dos Jardins, construído por Moulay Ismail e destruído pelo seu filho Moulay Abdallah, que não ficou satisfeito com a recepção que recebeu dos moradores, após voltar de uma campanha mal sucedida.

Ele foi construído no século 17 em terreno doado pelo sultão a um médico judeu que havia curado uma de suas princesas. As imponentes torres existentes uma de cada lado do portão possuem 4,70 metros de altura e 6,50 metros de largura. No alto, Bab el Khemis é decorado com uma inscrição feita em azulejos pretos sobre o trabalho em alvenaria. Na inscrição se lê:

Eu sou a porta aberta a todas as pessoas, seja no Ocidente ou Oriente. Eu sou a porta feliz com a minha fama como a lua cheia no céu. Eu fui construída por Moulay Ismail, a fortuna e a prosperidade estão inscritas na minha fronte, eu estou cercada por felicidade”.

Diferentes cores e padrões minimamente pensados compõem a bela estrutura do Bab el Khemis

Bab el Mansour

Bab el Mansour é o principal portão de Meknès. Essa bela porta constitui um desafio à paciência do turista desejoso de uma boa foto. Bab el Mansour fica em uma região congestionada por carros, pessoas, ônibus, animais, bicicletas e tudo mais que se possa mover. Todos passando ao mesmo tempo na frente da máquina fotográfica.

Bab el Mansour, o portão considerado como o mais majestoso do Marrocos

 

Esse portão é tido, com razão, como o mais bonito de todo o Marrocos e uma das maiores obras de Moulay Ismail. Bab el Mansour ainda é classificado como estando entre os quatro melhores portões do mundo. Foi construído por um arquiteto cristão convertido ao islamismo, com o objetivo de ascender na corte de Moulay Ismail.

Ele era conhecido como o “Renegado Vitorioso” ou Mansour Laalej, daí o nome do portão (Mansour em árabe significa Vitorioso).

Detalhes que dão a impressão de um tecido brocado

 

Uma lenda local relata que uma vez o sultão, ao inspecionar o portão, perguntou a El Mansour se ele poderia fazer melhor. O arquiteto teve a infeliz idéia de responder que sim, o que lhe rendeu a sua execução imediata. Essa história, na verdade, parece não ter ocorrido, uma vez que a porta foi concluída em 1732, na época no reinado de Moulay Abdallah, filho de Moulay Ismail.

Seja qual for a verdade, Bab el Mansour é um dos lugares mais visitados em Meknès e uma adaptação interessante do estilo almóada clássico, com colunas de mármore trazido do sítio arqueológico romano de Volubilis, próximo à Meknès.

Difícil imaginar como El Mansour poderia ter feito melhor

 

Bab el Mansour é surpreendentemente rico em sua decoração que permanece quase perfeitamente preservada. O portão é completamente coberto com cerâmica e mosaicos em tons de verde. Seus ricos detalhes são feitos com pedaços de terracota vitrificada, em formato côncavo ou em relevo, de modo a dar a ilusão de um tecido brocado.

Os motivos decorativos encontrados tanto na porta quanto nos baluartes são feitos seguindo o padrão almóada darj w ktarf, que significa um desenho de rosto e ombros, lembrando vagamente uma flor-de-lis.

A inscrição ornamental no alto da porta exalta o triunfo de Moulay Ismail e, mais ainda, de Abdallah, vangloriando-se que não há porta igual em Damasco ou Alexandria. A altura total do portão é de cerca de 16 metros, a abertura do arco é de quase 8 metros.

Lateral do suntuoso portão construído pelo sultão megalomaníaco Moulay Ismail

Place el-Hedim

Não tem como falar do Bab el Mansour sem mencionar a praça El-Hedim, a principal causa do congestionamento na região, ao meu ver. A Place el-Hedim é o centro da atividade da Medina de Meknès, ela se localiza no cruzamento entre a antiga Medina e o Palácio Real, ainda próximo dela está o Dar Jamai, o museu de arte marroquina que abriga belas peças da cidade imperial.

Na praça há um mercado fascinante de frutas, legumes, carnes, aves, pão, e claro, especiarias. Esse tumultuado local é uma boa preparação para a praça Djemaa el Fna de Marrakech, porém em menores proporções.

A vida no mercado da Place el-Hedim

 

Seu nome significa Praça do Entulho ou Praça da Demolição. Ela ganhou esse nome quando foi usada para depósito de materiais de construção usados na época de Moulay Ismail. O mármore e outros materiais trazidos de Volubilis para construir a cidade imperial foram armazenados aqui.

Essa retirada de tanto material danificou profundamente o magnífico sítio arqueológico de Volubilis, hoje felizmente patrimônio da humanidade, protegido pela UNESCO.

Mulheres sentadas em uma das fontes da Place el-Hedim

 

A praça foi remodelada nos anos 90 em um local para pedestres, com fontes, lojas e arcos decorativos. Bem movimentada, a Place el Hedim fornece um local ideal para tomar um chá de menta e observar o ritmo da vida em Meknès com toda sua cultura tão diferente para nós ocidentais.

À noite, a praça fica povoada por contadores de histórias, encantadores de serpentes, acrobatas, vendedores e toda a diversidade de artistas e performistas.

Movimento no mercado tradicional da praça

Muralhas também estão presentes na Place el-Hedim

 

Bab en Nouar

Esse portão fica paralelo ao Bab el Mansour e foi construído na mesma época. Eele é menor em tamanho, porém segue o mesmo estilo. Esse é o portão onde se pode realmente atravessar, já que o Bab el Mansour fica a maior parte do tempo fechado, sendo aberto somente para exposições temporárias.

Embora suas proporções sejam mais modestas, quando comparado com seu concorrente Bab el Mansour, suas linhas são fortes e harmoniosas. O portão leva à Mesquita El Nouar.

Bab en Nouar é menor em tamanho, mas nem por isso deixa de ser um belo portão ricamente decorado

 

Bab er-Rih

Esse belo portão fica próximo ao Mausoléu de Moulay Ismail (assunto para o próximo post). Seu nome original parece ter sido Bab er-Rais, que significa Porta do Capitão, porém hoje ele é conhecido como Bab er-Rih, Porta dos Ventos, em árabe, devido à sua disposição em linha reta, aberto a todos os ventos.

Bab er-Rih ou Porta dos Ventos, ao fundo se vê o mausoléu de Moulay Ismail

 

Ao contrário dos anteriores, ele é formado por dois arcos principais mais estreitos apoiados em colunas pesadas. Sua decoração fica por conta dos cuidadosamente trabalhados desenhos geométricos no alto dos arcos.

Detalhe dos desenhos geométricos no alto do Bab er-Rih

 

 

Fui para Meknès, após conhecer Rabat, a capital do Reino do Marrocos.

Foram 140 km apreciando a paisagem com as montanhas Atlas sempre ao fundo e as várias plantações de pistache nas proximidades de Rabat, assim como as plantações de azeitonas e uvas formando o cenário principal da região de Meknès. Além, é claro, dos muitos pastores com seus rebanhos de ovelhas.

Meknès é uma das quatro cidades imperiais do Marrocos, as outras são Fès, Marrakech e Rabat.  A cidade possui cerca de 1 milhão de habitantes e, assim como as demais cidades do Marrocos, também possui uma cor característica, que no seu caso é verde.

A presença de água e belos jardins atraiam o interesse das diferentes dinastias em Meknès

A história da cidade está intimamente ligada a Moulay Ismail, o sultão alaouita, conhecido por sua crueldade. Porém, a origem de Meknès é mais antiga, datando do século X. Nessa época, a tribo Meknassa, atraída pelo solo fértil, água em boa quantidade e muitos jardins, se estabeleceu nas margens do rio Oued e fundou Meknassa Zeitouna e Meknassa Taza.

Conquistada pelos Almorávidas no século XI, a cidade foi principalmente um posto militar, antes de se expandir sob o domínio da dinastia Almóada, no século XII e mais tarde sob o reinado dos Merenidas.

Algumas das muitas muralhas construídas por Moulay Ismail

No início do século XVII, Meknès se tornou uma próspera cidade, porém somente no final do século, com a chegada do sultão alaouita Moulay Ismail ao poder, que Meknès se tornou uma das maiores cidades imperiais do Marrocos.

Em 1672, Moulay Ismail fez de Meknès a capital do Marrocos. O mal afamado sultão usou de todos os seus recursos para dotar a capital de monumentos grandiosos. Sua intenção era que Meknès fosse conhecida como a Versailles Marroquina.

Ruínas da época quando Meknès era a Versailles marroquina de Moulay Ismail

Para garantir sua ambição, ele recrutou um exército de operários, artesãos, escravos, prisioneiros e moradores das vilas próximas para a construção dos muitos quilômetros de muralhas e paredes, portões majestosos, celeiros, estábulos, arquedutos, mesquitas, jardins, palácios e kasbahs (fortaleza).

Mais do que isso, ele ainda ordenou a destruição de monumentos e palácios em Fès e Marrakech, para que nenhuma cidade do Marrocos fosse mais bonita que Meknès.

Ainda hoje Meknès mantem o charme de uma importante cidade imperial

O declínio da cidade começou com a morte de Moulay Ismail. Porém, Meknès continua mantendo seu charme de cidade imperial. Hoje em dia, a cidade é o centro de uma região rica, caracterizada por uma agricultura crescente, onde azeitonas, cereais, citrinos, azeite e vinho fazem parte dos principais produtos comercializados e exportados.

 

Placa indicando alguns dos pontos turísticos de Meknès

Em 2006, a cidade ganhou o prêmio pelo melhor azeite extra virgem do ano, em Roma, sendo indicada no guia italiano Cuisine & Vini ganhando o certificado de qualidade mundial de azeites.

A principal produção de vinho no Marrocos também fica em Meknès, assim esta é a melhor cidade para tomar um vinho cabernet. Os vinhos não são tão bons quanto os europeus, devido principalmente à sua localização geográfica, que não está na faixa considerada ideal para o cultivo das vinhas.

Família marroquina caminhando na Place El Hedim, um importante local da cidade

A cidade também é um importante centro de produção artesanal. É o local ideal para comprar bordados, escultura em madeira, tecelagem, couro, cerâmica e o artesanato típico de Meknès, os objetos feitos com a arte da damasquinaria (damasquinados são semelhantes aos trabalhos encontrados em Toledo, só que elaborados com ferro e prata).

Em Meknès, já se pode sentir mais do estilo de vida do marroquino tradicional. Não é tão moderna quanto Casablanca ou Rabat.

Foi em Meknès que eu vi a primeira mulher de burca, andando na Place El Hedim, um lugar bem movimentado da cidade. Ela se misturava ao turbilhão de pessoas, carros, bicicletas e ônibus, juntamente com outras mulheres sem burca.

Pessoas se misturam aos carros no meio das ruas. Uma cena bem comum nas cidades marroquinas. No meio do tumulto, uma mulher de burca.

Outro costume que choca um pouco a nós ocidentais são os bares freqüentados apenas por homens. Em alguns poucos bares pode-se encontrar uma mulher sentada, e nesse caso, 100% delas são turistas.

Mesmo que para nós seja um hábito mais do que normal mulheres se sentarem acompanhadas ou não em um bar, se uma mulher for fazer isso no Marrocos, é melhor estar acompanhada por um homem. As mulheres ocidentais são vistas pelos locais como “fáceis”, e sentar em um bar desacompanhada pode atrair o assédio indesejado de alguns homens mais saidinhos.

Os bares são frequentados apenas por homens, principalmente nas cidades mais tradicionais

A proximidade de Meknès com Fès (60 km), acabou prejudicando um pouco o turismo na cidade. Porém, a capital do sultão mais tirano da história do Marrocos oferece aos visitantes vários lugares não apenas bonitos, mas também históricos.

Não se pode negar que Meknès não tem as características marcantes das outras cidades imperiais como Rabat, a capital administrativa, Fès com sua divertida medina medieval e Marrakech com a inexplicável praça Djemma El Fna.

Mas mesmo assim, Meknès deve fazer parte de qualquer roteiro turístico, seja pelos seus belos portões, pelas ruínas que sobraram dos projetos megalomaníacos do Moulay Ismail ou pelo magnífico mausoléu desse terrível sultão.

Marrocos sempre foi um sonho para mim, porém apesar de desejar conhecer o país, acabava sempre escolhendo outro destino na hora de arrumar as malas, na maior parte das vezes a Europa. Foi assim em 2006 e 2007, quando, em ambas as ocasiões, acabei optando pelo Velho Continente ao invés do Marrocos.

E dessa vez não foi tão diferente afinal, eu estava pesquisando roteiros para Egito ou Turquia, quando me deparei com a descrição de um roteiro para Tunísia e Marrocos. Bom, devido a restrições de disponibidade de tempo, a Tunísia foi deixada para uma outra oportunidade e, dessa vez, Marrocos sobressaiu como o destino certo para a ocasião.

É claro que a Europa, minha eterna paixão, acabou sendo de uma forma ou de outra incluída na viagem, com uma rápida passagem pela Espanha com direito a muitos tapas e vinhos. Porém a Espanha fica para outro post. Vamos voltar ao Marrocos.

 

Estreito de Gibraltar. Apenas 14,4 km separam Espanha e Marrocos.

É incrível como muitas pessoas (e me incluo aqui) imaginam a África um destino tão longe, mas não a Europa, sendo que Espanha e Portugal são países vizinhos ao Marrocos. A viagem para esse belo país africano provou para mim que, afinal de contas, a “África é logo ali” (como diria o Vanucci).

Mesmo quando pensamos no custo de uma viagem à África, podemos nos surpreender, pois uma pesquisa de roteiros, pacotes e passagens me mostrou que ir para o Marrocos, Tunísia ou Egito pode ser mais barato do que uma viagem aos nossos vizinhos Chile ou Peru.

Marrocos é um país encantador logo no primeiro contato. Seu povo, sua cultura, sua arquitetura, sua arte, seu jeito especial de ser uma mistura árabe e africana com uma pitada européia, o tornou um lugar cativante, especial, um país que sentimos saudades mesmo antes de partir.

E quando saimos do Marrocos somos impregnados com a eterna sensação de que devemos voltar, seja para rever suas maravilhas, seja para conhecer novos encantos.

Simpatia e hospitalidade dos marroquinos na Mesquita Hassan II em Casablanca

Sua cultura complexa é formada por árabes e berberes e remonta a tempos antigos construídos durante várias invasões de árabes e europeus (romanos, e mais recentemente franceses, portugueses e espanhóis). A história do Marrocos está intimamente ligada à sua localização geográfica. Objeto de desejo de muitos impérios durante séculos, desde o Império Romano até o protetorado francês, sendo que o Reino do Marrocos ganhou sua independência efetiva somente em 1956.

Ponto de encontro das principais caravanas de comércio e excepcional base militar estratégica, o  Marrocos conseguiu enriquecer seu patrimônio cultural a partir de todas essas ricas experiências históricas. O resultado foi uma mistura de cultura e arte hoje plenamente expressas através da diversidade de línguas faladas no Marrocos (árabe, berbere e francês), das religiões que convivem em harmonia (islamismo, judaísmo e cristianismo), e de seus magníficos artesanatos, fabricados há séculos quase que da mesma forma.

 

Interior da medina de Fès, a maior e mais antiga medina do mundo árabe

O Marrocos preservou sua identidade e valores ao longo dos séculos, sem no entanto deixar de se modernizar e de investir em seus recursos, principalmente na exploração do fosfato e no setor de turismo.

A imagem que nos traz é de um povo forte e sereno ao mesmo tempo, ligado em seus valores tradicionais, porém livre de extremismos religioso ou político.

 

Jelaba, a roupa típica de inverno usada no Marrocos

O Islamismo é a religião oficial do país, sendo parte fundamental da história do Marrocos há 14 séculos, orientando a vida espiritual marroquino. O Islã está presente no coração da vida marroquina, através dos costumes, arquitetura e educação. A chamada para a oração pontua a vida das mesquitas marroquinas, mausoléus e escolas corânicas. São hinos fortemente presentes no cotidiano das pessoas.

No entanto, o reino do Marrocos continua a ser essencialmente uma terra de tolerância, onde todos os credos vivem em harmonia. Por séculos, marroquinos judeus e muçulmanos convivem em respeito um ao outro, garantindo a liberdade de culto para uma comunidade diversificada, amigável, equilibrada e hospitaleira.

Muçulmano aguardando o chamado da Mesquita

A complexidade desse país nos desafia a descrevê-lo, mesmo que eu tentasse uma lista imensa de palavras e adjetivos, ainda assim o resultado seria simplificado e superficial. Afinal palavras não conseguem transmitir a beleza das montanhas Atlas, a singularidade de Marrakech, a riqueza dos detalhes encontrados nos mosaicos e outros artesanatos ou o sabor do chá de menta servido em todos restaurantes.

Eu a caráter no Hari Souani construído por Moulay Ismail em Meknès

Uma viagem ao Marrocos não se resume apenas em conhecer suas cidades, montanhas ou deserto. É mais do que isso. O país nos convida a um mergulho em sua cultura milenar, sua língua, sua escrita, seus mosaicos magníficos, sua gente.

Um passeio ao Marrocos não acontece sem sentir a vida pulsante e intensa existente dentro dos muros das medinas, sem sentir os mais diversos odores e cores de suas especiarias, dos tajines e cuscuz servidos em todos os lugares, sem ser arrastado para a multidão composta por nativos e turistas na praça Djemma El Fna, repleta de encantadores de  serpentes, adestradores, contadores de história, performistas e outros em busca da atenção e moedas dos turistas.

Sem dúvida alguma, Marrocos é um país cheio de encantos e surpresas, que nos presenteia com a magia das 1001 noites e, principalmente, com um destino prazeroso e inesquecível.