Posts Tagged ‘Sítio Arqueológico’

Saint Michel et Gudula é a principal igreja de Bruxelas. É como um símbolo para os habitantes da cidade, conforme um deles mesmo me contou, e está localizada na praça Sainte-Gudule, a poucos passos da Galeries Royales St Hubert e bem perto da Grand Place. A igreja também está próxima ao Parc de Bruxelles. Ou seja, é praticamente impossível não encontrá-la, seja por sua localização, seja por seu imponente tamanho.

411Bruxelas_StMichaelStGudula _004

Essa magnífica igreja combina vários estilos, desde o Romano até Gótico, sendo esse último o estilo predominante. O início da sua construção data de 1226, mas sua origem é ainda anterior a isso, provavelmente do século VIII ou IX, quando uma capela dedicada a São Miguel havia sido construída no local.

416Bruxelas_StMichaelStGudula _008

Dois séculos depois, o então duque de Brabante, Lamberto II mandou construir uma igreja romanesca no local. Ainda no século XI, as relíquias de Santa Gudula, a padroeira de Bruxelas, foram transferidas para lá, e foi a partir de então que se se tornou conhecida como a igreja de Saint Michel et Gudula, e os dois santos, padroeiros da cidade. Até por isso que se vê estátuas de São Miguel no topo de vários prédios importantes da cidade.

414Bruxelas_StMichaelStGudula _006

474Bruxelas_StMichaelStGudula _066

Foi Henrique I, outro duque de Brabante quem ordenou o início da construção da igreja atual que durou por nada menos que 300 anos! A igreja finalmente ficou pronta em 1519, próximo ao reinado do imperador Carlos V. Essas duas figuras importantes historicamente para Bruxelas foram as mesmas que moraram no palácio Coudenberg. O estilo gótico apareceu nessa mesma época na região e por isso ele está tão realçado na catedral.

441Bruxelas_StMichaelStGudula _033

As dimensões da igreja refletem sua beleza e importância. São 114 metros de comprimento exterior e 109 metros de comprimento interior por 57 metros de largura. As torres possuem 64 metros de altura. A parte externa da catedral foi inteiramente construída com pedras retiradas da pedreira de Gobertange, localizada a cerca de 52 km de Bruxelas.

451Bruxelas_StMichaelStGudula _043

450Bruxelas_StMichaelStGudula _042

Se por fora a catedral é magnífica, com todas suas estátuas de santos e pessoas importantes decorando sua fachada, seu interior não deixa por menos. Há lindos detalhes por todos os lados e vale a pena explorar cada canto dessa igreja.

O coro data de 1226 mesmo, enquanto outras partes possuem diferentes origens. Os belíssimos vitrais e os confessionários são do século XVI e o púlpito do século XVII, mais recente é o carrilhão, de 1975.

500Bruxelas_StMichaelStGudula _092

431Bruxelas_StMichaelStGudula _023 479Bruxelas_StMichaelStGudula _071

425Bruxelas_StMichaelStGudula _017

424Bruxelas_StMichaelStGudula _016 446Bruxelas_StMichaelStGudula _038

 

444Bruxelas_StMichaelStGudula _036

O púlpito, esculpido por Hendrik Frans Verbruggen em 1699, é um belo exemplo da arte barroca “naturalista”. Ele retrata a queda de Adão e Eva e a Redenção, representada de acordo com a descrição de São João no livro do Apocalipse, pela Virgem sobre uma lua crescente e a cabeça coroada com doze estrelas, e o Infante perfurando a cabeça da serpente com uma longa cruz.

434Bruxelas_StMichaelStGudula _026

442Bruxelas_StMichaelStGudula _034

525Bruxelas_StMichaelStGudula _117

Na nave da igreja há doze colunas onde estão dispostos os doze apóstolos. As expressivas estátuas barrocas foram esculpidas no século XVII por grandes escultores da época do ducado de Brabante, como Jérôme Duquesnoy o Jovem, filho de Jérôme Duquesnoy, o Ancião, o mesmo que esculpiu o Manekken Pis, Luc Faid’herbe e Tobie de Lelis

428Bruxelas_StMichaelStGudula _020

452Bruxelas_StMichaelStGudula _044

466Bruxelas_StMichaelStGudula _058

472Bruxelas_StMichaelStGudula _064

803 - Cathedrael St Michel 05

493Bruxelas_StMichaelStGudula _085

521Bruxelas_StMichaelStGudula _113

Saint Michel et Gudula passou por uma grande restauração entre 1983 e 1999 que trouxe de volta toda a sua beleza, em especial das pedras, vitrais e abóboda. Foi durante essa restauração que foram descobertas as ruínas bem preservadas da igreja original e a cripta, ambas do século XI, em estilo romanesco.  Os espelhos colocados no sítio arqueológico permitem que os visitantes vejam as fundações da entrada da igreja de 1047, seu lado oeste, que servia como local de refúgio para os habitantes durante a Idade Média, construído por volta de 1200, a antecâmara e as fundações do arco que separava a antecâmara da nave.

813 - Cathedrael St Michel 15

504Bruxelas_StMichaelStGudula _096

506Bruxelas_StMichaelStGudula _098

513Bruxelas_StMichaelStGudula _105

Bem, como dá para perceber, a Igreja de Saint Michel et Gudula oferece beleza arquitetônica, belos vitrais e estátuas, história, religiosidade e ruínas antigas para quem for visitá-la. Um belo símbolo e uma imponente construção para a cidade de Bruxelas. Vale muito a pena conhecer.

495Bruxelas_StMichaelStGudula _087

463Bruxelas_StMichaelStGudula _055

499Bruxelas_StMichaelStGudula _091

454Bruxelas_StMichaelStGudula _046

477Bruxelas_StMichaelStGudula _069

Sítios arqueológicos e museus são minhas paixões, um sítio arqueológico ligado a um museu então é uma combinação perfeita. Coudenberg foi um dos primeiros lugares que visitei em Bruxelas, mas na verdade foi uma coincidência. Eu estava fazendo um lanche no Parc de Bruxelles e decidi visitar o Palais Royal. O palácio porém estava fechado para visitação e então vi ao lado esse local, e lógico resolvi entrar sem pensar duas vezes.

Coudenberg se trata na verdade das ruínas de um palácio construído na colina de mesmo nome durante a segunda metade do século 11. Ele foi reconstruído e aumentado várias vezes, à medida em que crescia o prestígio dos Duques de Brabante e Borgonha e do imperador Charles V que o possuíram.

Paleis_op_de_Koudenberg

Na época, a beleza desse palácio, que foi a sede do poder de Bruxelas por seis séculos, o charme de seus jardins e a riqueza das obras de artes, atraíam visitantes de toda a Europa. No entanto, o palácio foi quase totalmente destruído por um grande incêndio ocorrido na noite de 3 de fevereiro de 1731 e simplesmente desapareceu quando o distrito foi reconstruído em 1775, deixando as ruínas no palácio caírem no esquecimento. Assim, restaram apenas as fundações e salas inferiores que foram encontradas em escavações realizadas posteriormente.

631 - Coudenberg 01

As ruínas ficam abaixo das ruas de Bruxelas. Foi um passeio que gostei muito, pois dá para voltar no tempo andando nos corredores. Na recepção, o visitante recebe uma brochura explicando cada setor, identificado com números na parede. Para acessar as ruínas é necessário passar por uma porta grande e pesada. Ao lado dela, há um local para digitar um código. O código que me deram era 147A, eu digitei e a pesada porta se abriu. Quando passei por ela, a porta se fechou de uma vez, fazendo um barulho forte. Pensei que ia ficar presa nos porões desse castelo, até porque para variar, só havia eu visitando o local. Daí entendi porque o recepcionista havia me falado que qualquer coisa que eu precisasse, era só dar um tchauzinho para as câmeras que alguém apareceria para me buscar.

632 - Coudenberg 02

Isso me pareceu bizarro, além do fato de não ver mais ninguém durante todo o tempo em que estive lá. Mas na verdade, tudo isso contribuiu para eu curtir o local. Foi uma viagem pelo tempo, até mesmo pelo cheiro de lugar antigo que permeia todo o Coudenberg.

634 - Coudenberg 04

Caminhar pelo que restou dele oferece a oportunidade de ver o que foi esquecido pela história para depois se tornar um interessante sítio arqueológico.

Como está escrito na capa da brochura, sob o distrito real, um outro palácio.

638 - Coudenberg 08

Saindo do Coudenberg, retorna-se à recepção e é possível visitar o museu Belvue que fica no andar superior do luxuoso Hotel Bellevue, construído no século 18. Basta subir a bela escadaria para alcançar o museu.

640 - Belvue Museum 01

Esse museu conta a história da Bélgica e,embora eu não saiba nada da história deles, achei bem interessante a visita. Aberto relativamente recente, em julho de 2005, Belvue é daqueles museus que quando se entra na sala começa tocar alguma música. Como novamente só havia eu lá dentro, não deixou de ser engraçado o fato de tocar uma música a cada sala que eu entrava.

644 - Belvue Museum 05

O acervo permanente conta com mais de 1500 itens entre documentos históricos, filmes, fotos e objetos antigos que retratam a história da Bélgica desde 1830 até os dias de hoje.

645 - Belvue Museum 06

Atualmente o Belvue passa por uma mudança na apresentação cronológica de seu acervo permanente. A partir de julho de 2016, os objetos serão expostos nas sete salas divididos nos temas democracia, prosperidade, solidariedade, pluralismo, migração, linguagem e Europa.

647 - Belvue Museum 08

O ingresso vale para os dois locais: Coudenberg e museu Belvue e custa 6,00 euros. Há desconto para quem possui o Brussels Card.

É bem verdade que a Europa sempre foi meu destino de escolha.
Assim como no Brasil a preferência recai, na maioria das vezes, em uma linda praia, quando o destino é internacional, a dúvida é qual país do Velho Continente escolher.

Dessa vez não foi diferente, Com as férias chegando, decidi conhecer os países bálticos, que há muito tempo estão na minha lista de desejos.

Após definir o roteiro com as cidades de escolha e a quantidade de dias em cada uma delas, a ocupação russa na Ucrânia e o estabelecimento de uma base da Otan na Letônia, me fizeram adiar a decisão de me aventurar por esses países.

Uma nova dúvida surgiu então, para onde ir? A resposta veio com outra pergunta:

“Que lugares mais me fascinam?”

“Sítios arqueológicos, claro!”.

E assim, no Camboja  Angkor Wat, um sonho antigo, brilhou para mim como um novo destino a ser adicionado no Mapa. Finalmente a hora de trocar os castelos e museus da Europa pelo exotismo e paisagens deslumbrantes da Ásia havia chegado.

Monges caminham na calma e silenciosa Luang Prabang no Laos

Monges caminham na tranquila e silenciosa Luang Prabang no Laos

Meu roteiro incluiu então o Laos, Vietnã e Camboja.

Apesar da longa distância a ser percorrida por avião, decidi viajar por apenas 17 dias, assim não ficaria muito tempo longe da família.  Mesmo amando viajar, sabia que a saudade me faria contar os dias para voltar.

A expectativa era grande. O que encontraria na Ásia? O contraste entre as culturas ocidental e oriental era um doce atrativo para mim. Os costumes, temperos, cheiros, hábitos, formavam um convite irrecusável. Para aumentar a ansiedade, ainda existiam os relatos de quem já havia ido, blogs e livros que li sobre pessoas que decidiram fazer um período sabático no outro lado do planeta e retornaram com pensamentos renovados e uma nova perspectiva de vida.

Criança brincando entre as casas de um povoado no Laos

Criança brincando entre as casas de um povoado no Laos

Bom, e agora que fui e já retornei, posso dizer que minhas expectativas não foram frustradas. Carregava comigo na mala muitas perguntas e, no entanto, voltei com outras mais. Nesses países me emocionei, espantei, apaixonei, assustei, chorei, ri muito, tudo ao mesmo tempo.  Ouvi lições de vidas que transpareceram tolerância, paciência, determinação, religiosidade e, sobretudo, harmonia.

Infinitas plantações de arroz nas estradas do Vietnã

Infinitas plantações de arroz nas estradas do Vietnã

O Sudeste Asiático me conquistou em seus simples e belos detalhes. Na forma como são preparados os pratos com flores feitas de cenouras, tomates, nabos. No gesto delicado de unir as mãos na frente do corpo para saudar. No modo de falar baixo e levemente cantado. Nas jovens, pequenas mas esguias, com seus lindos vestidos típicos. Na calma das pessoas em meio a um trânsito frenético. E na religiosidade expressa de forma tão sincera.

Detalhe das flores feitas de cenoura no prato da deliciosa culinária vietnamita

Detalhe das flores feitas de cenoura no prato da deliciosa culinária vietnamita

Como posso resumir minha primeira experiência na Ásia?

Escrevendo que não vejo a hora de retornar. Que levo comigo saudade de todos aqueles que conheci e que me ensinaram tanto, com palavras, com suas histórias de vida, pensamentos ou simplesmente com o singelo sorriso permanente no rosto. E que, por fim, minha amada Europa encontrou uma rival à altura.

Uma sorridente cambojana habitante da Vila Flutuante

Uma sorridente cambojana habitante da Vila Flutuante

Para finalizar, uma frase que vi estampada na embalagem do lencinho gelado que um dos guias vietnamitas me entregou para amenizar o forte calor, e que, naquele momento, fez muito sentido para mim:

“Life is never going to be quite the same again after your passport has been stamped.”
Graham Greene

Detalhe de uma coluna coríntia em Volubilis

No post anterior, falei sobre o sítio arqueológico de Volubilis desde a entrada até o final da Decumanus Maximus, a principal via leste-oeste das cidades romanas. Agora partiremos desse ponto até a saída de Volubilis.

Ao final da Decumanus Maximus, encontra-se a Maison à l’Ephèbe (Casa de Éfebo), que recebeu esse nome devido à estátua de bronze de um jovem (éfebo) encontrada em suas ruínas e hoje em exposição no museu de Rabat.

O desenho da casa é muito semelhante à Casa de Orfeu, com um átrio central, quartos privados e públicos e uma prensa de azeite na parte traseira. Essas prensas, aliás, eram bem comuns em Volubilis, já que um dos principais cultivos existentes era de olivas.

O mosaico na casa mais conhecido é uma representação de Baco, o deus do vinho, em uma carruagem puxada por panteras.

Nesse ponto, a Decumanus Maximus cruza com a Cardus Maximus, que era a principal via norte-sul das cidades romanas. Era nessa via que se encontravam as principais construções como fórum, capitólio e basílica.

Um fator interessante da Cardus Maximus era que essa via era sempre direcionada para a próxima cidade romana, e assim sucessivamente, até chegar em Roma. Daí se originou o ditado “Todos os caminhos levam à Roma“.

Neste cruzamento, encontra-se o belíssimo Arco Triunfal ou Arco de Caracalla, construído em 217 DC em homenagem ao imperador Caracalla. O arco relativamente preservado possui colunas coríntias feitas com mármore importado. Em cada pilar encontram-se medalhões esculpidos que retratam provavelmente o imperador Aurelius Antoninus (Caracalla) e sua mãe Julia Augusta, cujo nome também está nas inscrições acima do arco.

Belo Arco de Caracalla no cruzamento da Decumanus Maximus com a Cardus Maximus

O propósito do arco era claramente o de mostrar a onipotência de Roma e de seu imperador aos olhos das populações árabes. As inscrições acima do arco exaltam as virtudes e o poder do imperador Caracalla e de sua mãe Julia Augusta.

Detalhe das inscrições existentes no alto do Arco de Caracalla

Logo ao lado do Arco de Caracalla está a Maison au Chien (Casa do Cachorro), que recebeu esse nome devido à estátua de bronze de um cachorro encontrada no local. A casa é facilmente reconhecida por ter em seu interior uma pedra com um orgão masculino esculpido. A escultura servia para indicar o caminho para o bordel, um tipo de casa existente em todas as cidades romanas. Os bordéis eram identificados por sinais como esse, pintados ou esculpidos, sempre apontando em direção ao estabelecimento.

Também em frente ao Arco de Caracalla e a Maison au Chien, encontram-se as Termas, onde ficavam os banheiros públicos.

Termas romanas existentes no centro de Volubilis, em frente ao Arco de Caracalla

Os banheiros romanos geralmente são reconhecíveis por possuírem lugares para se encostar, como assentos, por onde passava água corrente por baixo para levar os resíduos. Os assentos eram distribuídos de forma cicular. Os menores no interior eram destinados para mulheres e crianças, enquanto os maiores no exterior eram para os homens.

Imagino que esses banheiros públicos não deviam ser nada agradáveis nem higiênicos. Segundo o guia, a água que corria por baixo continha rosas com o objetivo de mascarar o odor. Arghhh!

Guia mostrando como as pessoas se sentavam nos banheiros públicos

Continuando a caminhada pela Cardus Maximus, chegamos na Maison au Desultor (Casa do Atleta ou Casa do Acrobata), onde há mosaicos se referindo à vida cotidiana de Volubilis. Um deles retrata um acrobata em cima de um cavalo, outro mostra o desenho de peixes com a inscrição Piscat (pesca) em cima.

Mosaico mostrando um acrobata sentado de costas em um cavalo

Chegamos agora nas principais construções romanas em Volubilis. A primeira delas é o Fórum ocupando uma área de 1300 metros². O Fórum consistia na principal base da vida administrativa, política e religiosa da cidade. Era no Fórum que eram feitos discursos em homenagens a algum nobre falecido ou ao imperador.

Em um dos lados do prédio ficava o templo e no outro, a Basílica. O local era rodeado de muitas estátuas de mármore ou bronze, porém hoje em dia restam apenas os pedestais das mesmas.

Ruínas do Fórum, centro da vida política, administrativa e religiosa da cidade

A Basílica estende-se por cerca de 1000m². Sem dúvida, esta é a construção que mais chama a atenção em Volubilis. Logo da entrada já é possível ver suas imponentes ruínas.  Era na Basílica que aconteciam as audiências  judiciárias e a administração da cidade, dirigida por sete juízes.

Este é um dos locais mais bonitos de Volubilis que fornece um belo exemplo da arquitetura romana, além de mostrar claramente como funcionava a parte política e administrativa da cidade na época.

Basílica de Volubilis, um dos principais prédios da cidade romana

Logo atrás da Basílica está o Templo Capitolino, construído em honra do imperador Macrinus em 217 DC.  O templo ficava em um espaçoso pátio pavimentado, cercado de vários  pórticos. Ao pé da escadaria ficava o altar retangular para os sacrifícios.

O Templo Capitolino possui quatro colunas na frente que foram  magnificamente restauradas e duas outras na parte posterior.

Imponentes ruínas do Capitólio com um lindo ninho de cegonha em uma das colunas

Chegamos agora ao final da Cardus Maximus e da visita aos principais pontos de Volubilis.

Como dá para notar, vale muito a pena visitar Volubilis. Esse grande sítio arqueológico merece ser explorado calmamente, pois há várias casas, mosaicos, ruas, arcos e os belos edifícios públicos como a Basílica, o Fórum e o Capitólio. Volubilis nos presenteia com uma mostra muito completa do que era uma cidade romana na época, sua organização, mosaicos e arquitetura.

Como acontece em vários outros sítios arqueológicos, muitas das peças encontradas no local estão dispersas por vários museus no mundo. Algumas peças porém permanecem no Marrocos, no Museu Arqueológico em Rabat.

Infelizmente também, muitos dos mármores existentes nas construções foram retirados a mando do sultão megalomaníaco Moulay Ismail para as suas construções em Meknès, contribuindo para a depredação do local. Além disso, vários prédios que ainda estavam de pé acabaram por ruírem devido ao terremoto de Lisboa em 1772.

Uma das muitas oliveiras existentes no local, principal cultivo de Volubilis (não caiam na tentação de provar uma, são terrivelmente ruins...).

O simpático guia local que nos acompanhou lamentou profundamente que Volubilis não está tão preservada quanto deveria e completou falando que ainda tem muito o que explorar no local, pois, na verdade, menos da metade de todo o sítio foi escavado.

Fico imaginando quanta riqueza e história ainda estão escondidas abaixo de toda aquela imensa área a ser escavada.

Ruínas de Volubilis rodeadas pela bela paisagem das Montanhas Atlas.

O sítio arqueológico de Volubilis, assim como o Heri es Souani de Meknès, foi usado como cenário para o filme de  Martin Scorsese, A Última Tentação de Cristo.

O local é aberto diariamente ao público entre 9:00 e 12:00 e depois das 14:30 às 18:00. O ingresso custa 20,00 dihans, aproximadamente 2,00 euros.

Mais informações:

Site de Volubilis

Após conhecer Meknès, fui para Volubilis, um sítio arqueológico, protegido pela UNESCO desde 1997. A cidade que ali existia pertencia ao Império Romano,  porém, sua origem parece ser ainda mais antiga. Algumas escavações feitas em 1915 revelaram que o local já era habitado na Idade do Ferro e no período Cartagiano no século 3 AC.

Com a dominação romana, em 45 DC,  o local ganhou as características típicas da urbanização das cidades romanas: muralhas, fórum, capitólio e basílica. A cidade aumentou de tamanho e ganhou uma grande malha de ruas em 169 DC.

Como muitos lugares no Marrocos, existem guias locais na entrada oferecendo seus conhecimentos. Nesse caso, compensa aproveitar a presença do guia, pois ele nos mostra detalhes que passariam despercebidos ou seriam interpretados erroneamente. Os guias falam inglês, francês, espanhol e árabe.

Volubilis fica a apenas 33 km de Meknès e 4 km de Moulay Idriss. É possível se hospedar em qualquer uma dessas cidades e de lá pegar o Grand Taxi para até Volubilis. Esses taxis são do mesmo tipo existentes nas demais cidades do Marrocos e não saem muito caro.

As ruínas que se vê hoje em dia são dos séculos II e III DC. Estima-se que em seu auge, Volubilis tinha uma população de cerca de 20.000 pessoas. A cidade era o posto mais afastado de Roma e fornecia ao Império olivas e trigo, além de animais selvagens como leões e ursos do Atlas para os jogos nas arenas. Foram tantos animais enviados à Roma, que o urso do Atlas, único urso da África, entrou em extinção. O último a ser visto foi em 1867, na fronteira entre Marrocos e Argélia.

Ruínas do templo com as montanhas Atlas ao fundo

A entrada  para a cidade romana é feita pela porta sudeste. De lá dá para ver a cidade sagrada de Moulay Idriss e seu formato de camelo deitado. A paisagem ao redor também é muito bonita, com as montanhas Atlas ao fundo.

Começamos a caminhada pelo sítio arqueológico andando por entre as ruínas do Templo dedicado a Saturno, deus do tempo (Cronos para os gregos), porém, o templo parece ter sido um local de adoração para os cartagianos também, pois várias oferendas votivas foram descobertas durante as escavações.

Ruínas de um dos templos encontrados em Volubilis

Passando pelas ruínas, chega-se à rua do Aqueduto construído ao final do primeiro século DC. O aqueduto coletava água de uma fonte localizada a cerca de 1 kilometro da cidade. Dele saiam tubulações que forneciam água para as casas particulares, fontes e banhos e banheiros públicos.

No alto da rua do Aqueduto, encontra-se a Maison au Cortège de Vénus (Casa da Procissão de Vênus), onde estão um dos mais preservados mosaicos de Volubilis. Não se pode entrar na casa, mas é possível ver os mosaicos andando ao redor dela. O primeiro mosaico mostra a cena da deusa da caça, Diana, sendo surpreendida durante o banho pelo caçador Actéon. Irritada com a intromissão, Diana transforma o descuidado caçador em um cervo que acaba sendo devorado pelos próprios cães.

Belíssimo mosaico representando a cena de Diana sendo surpreendida no banho por Acteón

O segundo mosaico mostra a cena de Hylas sendo seduzido e levado pelas ninfas do lago. Hylas era um rapaz amado por Hércules que foi raptado pelas ninfas da água quando foi matar a sede em um rio.

A casa de Vênus é uma das maiores de Volubilis (mais de 1000 m²) e mostra o típico arranjo de casas romanas. A entrada principal conduz a um vestíbulo de grande porte que se abre diretamente para um pátio com piscina. Ao redor do pátio estão os quartos e salas de recepção, estar e jantar. Não se sabe quem morou nessa casa, mas com certeza fazia parte da alta classe de Volubilis, pois foram encontrados os bustos de Cato e Juba II, personagens importantes na história de Roma.

Detalhe da Maison au Cortège de Vénus, mostrando algumas paredes e o chão enfeitado com o mosaico de Diana e Acteón

Chegamos agora na rua principal de Volubilis, a Decumanus Maximus, essa avenida existia em todas as cidades romanas, sendo a principal via que ligava a cidade na direção leste-oeste.  Nela se encontravam as melhores mansões e seus belos mosaicos. No topo da Decumanus Maximus se vê a Porta de Tanger que data de 168 DC e servia como porta de entrada para Volubilis.

Porta de Tanger vista da Decumanus Maximus, o portal servia como entrada para a cidade

Continuando pela Decumanus Maximus, iremos passar por várias das principais mansões de Volubilis. Logo no início se encontra o Palais de Gordien, facilmente reconhecido pela quantidade de colunas. O local era a residência dos procuradores que administravam a cidade. Infelizmente, hoje se encontra bem depredado e sem mosaicos, graças aos saques comandados por Moulay Ismail de Meknès.

Colunas que restaram do Palais des Gordien

Na sequencia, ao lado direito, tem-se as casas Maison des Fauves, com mosaicos de leões, panteras e tigres, Maison du Bain des Nymphes e Maison de Dionysos. Bem de frente, do outro lado da rua, está a Maison des Néréides. Na Maison de Dionysos, o deus do vinho é representado nos mosaicos coroado com folhas de videira. Além do deus, os mosaicos também fazem alusão às quatro estações do ano.

Detalhe do mosaico na Maison de Dionysos, o deus do vinho conhecido também como Baco.

Após, tem-se a Maison aux Travaux d’Hercule (Casa dos Trabalhos de Hércules). Nessa casa, os mosaicos, distribuídos em painéis ovais, representam os 12 trabalhos que Hércules executou: Matar o leão de Neméia, matar a Hidra de Lerna, capturar o javali de Erimanto, capturar a corsa de Cerinéia, que tinha os cascos de bronze e os chifres de ouro, expulsar as aves do lago Estinfale, na Arcádia, limpar os estábulos do rei Augias, da Élida, em um só dia, capturar o touro selvagem de Minos, rei dos cretenses, capturar os cavalos devoradores de homens do rei Diomedes da Trácia, obter o cinto de Hipólita, rainha das Amazonas, as mulheres guerreiras, buscar o gado do monstro Gerião, levar as maçãs de ouro do jardim das Hespérides para Euristeu e, por fim, capturar Cérbero, o cão de três cabeças que guardava os infernos.

Na casa de Hércules também há mosaicos com motivos para espantar o mau olhado, como golfinhos, tridentes e a suástica.

Detalhes do belo mosaico existente na Casa dos Trabalhos de Hércules

A casa vizinha é a Maison au Cavalier (Casa do Cavaleiro), com o parcialmente destruído, porém belo, mosaico de Dionísio descobrindo sua amada Ariadne dormindo na praia de Naxos. A casa ganhou esse nome por ter sido o local onde foi encontrada, em 1918, uma estátua de bronze de um cavaleiro. A casa apresenta um formato quadricular com uma área total de 1700 m².

Olhando o estraordinário mosaico, fica-se imaginando como era feito na época um trabalho tão detalhista e perfeito.

Mosaico incompleto mostrando Dionísio e Ariadne na praia de Naxos

Atravessando uma porta, entramos na casa vizinha, a Maison aux Colonnes (Casa das Colunas), parcialmente restaurada. A casa não possui mosaicos, no centro há uma grande piscina circular rodeada por colunas retorcidas, as quais deram origem ao seu nome.

É possível entrar nessa casa e andar ao redor da piscina.

Interior da Maison aux Colonnes com as colunas retorcidas ao fundo

Chegamos agora ao final da Decumanus Maximus, no cruzamento com a Cardus Maximus, próximo ao Arco de Caracalla. Essa outra parte do sítio arqueológico de Volubilis inclui alguns dos prédios mais bem conservados e será descrita no próximo post.