O que dizer da Grand Place de Bruxelas que ainda não tenha sido dito? Esse é com certeza o destino de 100% de turistas, viajantes, mochileiros, visitantes ou o nome que se queira dar, que frequentam a cidade. E, mesmo caindo no convencional, para mim é o melhor lugar de Bruxelas. Não tem como não se impressionar, independente se é a primeira ou quinta vez que você vai para Bruxelas. Não é a toa que a Grand Place ou Groten Mark é considerada uma das praças mais bonitas da Europa.

103bruxelas_grandplace_16

085bruxelas_grandplace_05

744-grand-place-01

Em 1998, a Grand Place entrou para a lista dos patrimônios mundiais da UNESCO, que faz referência à arquitetura da praça como um belo exemplo do nível social e vida cultural do século 17. A Grand Place também é citada no livro 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer da jornalista americana Patricia Schultz, onde é descrita como o coração de Bruxelas.

095bruxelas_grandplace_12

096bruxelas_grandplace_13

As casas aqui foram construídas em 1695, apenas três anos após os dois dias de intenso bombardeio francês que destruiu a praça quase que completamente, restando apenas a prefeitura, ou Hôtel de Ville. Na verdade, foram os comerciantes que reconstruíram as casas, em estilos aprovados pelo Conselho Municipal, e que originaram a bela e harmoniosa unidade de prédios construídos em três estilos: barroco, gótico e Luís XIV.

102bruxelas_grandplace_15

083bruxelas_grandplace_04

170bruxelas_grandplace_01

Antigamente, a Grand Place funcionava como mercado, onde comerciantes vendiam essencialmente alimentos. Daí o porquê das ruas em volta da praça terem nomes de comidas, como por exemplo Rue au Beurre (rua da manteiga), Rue de Marché aux Fromages (rua do mercado de queijos), Rue de Marché aux Herbes (rua do mercado de ervas) e assim por diante. Eu acho esses nomes bem interessantes, mesmo sendo engraçados, mostram bem tanto a cultura quando a história do lugar. São coisas assim que me deixam mais apaixonada pela Europa em geral, pois mesmo com o passar do tempo, modernização, globalização e tudo o mais, eles ainda mantém intactos aspectos simples de suas histórias, como essas ruas com nomes como frango, ervas, manteiga, etc.

brussels-grand-place-map

O prédio mais imponente da Grand Place é sem dúvida o Hôtel de Ville, a prefeitura construída entre 1402 e 1459. O prédio é 300 anos mais velho que o restante das casas e é merecidamente tido como o prédio cívico mais bonito da Bélgica. É bem irônico o fato do Hôtel de Ville ter sido praticamente a única construção que resistiu ao bombardeio francês, uma vez que ele era o principal alvo.

821-hotel-de-ville-17

101bruxelas_hoteldeville_09

667bruxelas_hoteldeville_27

666bruxelas_hoteldeville_26

Mas que bom que isso ocorreu, mesmo tendo sido reconstruído os demais prédios, seria uma lástima que a bela prefeitura fosse destruída. A fachada do prédio é preenchida por estátuas de figuras importantes e gárgulas góticas. A torre de 96 metros pode ser vista de vários pontos da cidade. No alto, há uma estátua de São Miguel, patrono da cidade.

662bruxelas_hoteldeville_22

657bruxelas_hoteldeville_21

670bruxelas_hoteldeville_30

É possível conhecer seu interior formado por salas luxuosas. Há tours guiados com duração de 45 minutos. O valor do ingresso é 5,00 euros para adultos e 3,00 euros para crianças entre 6 e 12 anos, abaixo dessa idade, o ingresso é gratuito. O valor com desconto também vale para aposentados, desempregados e estudantes. O tour tem horas e dias marcados conforme o idioma usado, que são francês, inglês e holandês.

653bruxelas_hoteldeville_17

663bruxelas_hoteldeville_23

107bruxelas_hoteldeville_12

732bruxelas_hoteldeville_43

Em frente ao Hôtel de Ville fica a Maison de Roi, que apesar do nome, nunca foi residência do rei. Melhor ainda é seu nome em holandês, Broodhuis, que significa Casa de Pão. Na verdade, os dois nomes possuem explicação, no século 13, o prédio serviu de mercado de pão, daí o nome Broodhuis, enquanto que Maison de Roi se refere aos títulos do seu proprietário, o Duque de Brabante, que no século 16 era Carlos V, “rei” da Espanha.

084bruxelas_maisonduroi_01

640bruxelas_maisonduroi_02

Porém nem casa do rei e nem casa do pão, esse palácio datado do século 12 é na verdade sede do Musée de la Ville de Bruxelles. Quando fui, a entrada era de graça, pois era o primeiro domingo do mês, nos demais  dias o valor do ingresso é 8,00 euros para adultos, para aposentados é 6,00, estudantes e desempregados pagam 4,00 euros enquanto que para abaixo de 18 anos a entrada é gratuita. Também é possível comprar ingresso combinando o Musée de la Ville de Bruxelles com os museus Musée du Costume et de la Dentelle Musée des Egouts. O primeiro parece ser bem interessante, uma vez que se trata de trajes e história da moda com exposições mostrando vestuários desde o século 18. Já o segundo é um tanto duvidoso, já que o museu é destinado ao sistema de esgoto. Além dos profissionais da área, não sei quem mais se interessaria por esse tipo de exposição. Isso mostra que qualquer tema pode virar um museu na Europa.

658bruxelas_maisonduroi_04

Como o próprio nome diz, o Musée de la Ville de Buxelles é dedicado à história e cultura de Bruxelas mostradas através de peças arqueológicas, pinturas, esculturas, tapeçarias e muitas estátuas do Manneken Pis, aquele menino fazendo xixi que é símbolo de Bruxelas, vestido de várias maneiras, o que não deixa de ser engraçado. Porém não é permitido tirar fotos no interior do museu.

651bruxelas_maisonduroi_03

672bruxelas_hoteldeville_32

Mas a história da Grand Place não é feita apenas de prédios bonitos, seu passado também contém fatos tristes, uma vez que o local já foi palco de centenas de execuções de bruxas e protestantes que eram queimados, bem como rebeldes e ladrões que eram decapitados. Felizmente, hoje a Grand Place é um lugar bem mais positivo, com eventos frequentes como o mercado de flores que acontece diariamente entre a primavera e o outono e o Tapete de Flores, que ocorre a cada dois anos no mês de agosto.

815-grand-place-24

755-grand-place-12

Há vários restaurantes e bares na Grand Place, que obviamente são caros, mas confesso que uma vez abri mão da economia para sentar em um bar do lado oposto ao Hôtel de Ville e tomar uma Chimay, uma das minhas cervejas favoritas. Em alguns momentos compensa a gente pagar mais caro para tomar uma deliciosa cerveja trapiste podendo admirar a praça mais bela da Europa, afinal, não é todo dia que podemos fazer isso.

764-grand-place-21

É bem fácil chegar na Grand Place, uma vez que há várias placas sinalizando a direção, ao mesmo tempo que, como mencionei antes, a torre do Hôtel de Ville é facilmente vista. mas de qualquer forma, para quem quiser ir de metrô, a estação mais próxima é a Gare Centrale.

Deixe aqui seu comentário

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Tópicos recentes