Como já mencionei em um post anterior, caminhar por Amsterdam é bem fácil e divertido, conheci boa parte da cidade andando a pé, sem necessidade de pegar metrô ou ônibus. Então, aqui sugiro alguns lugares que dá para conhecer durante uma caminhada por Amsterdam, além dos museus e igrejas já descritos nos posts anteriores e também da parte central (clique aqui, aqui, aqui, aquiaqui, aqui, aqui e aqui para saber mais).

Então vamos lá, saindo da Dam, no sentido contrário à Damrak, temos a Rokin, outra das avenidas principais da cidade. Caminhando pela Rokin até o final, chegamos ao Munttoren, que significa torre de menta. Essa torre, que fica na praça Muntplein, onde o rio Amstel e o canal Singel se encontram, foi construída entre 1480 e 1487 na cidade medieval. Inicialmente era parte do Regulierspoort, que consistia de um portão com uma torre de cada lado. Já no século XVII, o Munttoren foi usado para cunhar moedas. Em 1618, o portão pegou fogo e só restou a parte da torre e a casa de guarda. O Munttoren foi então reconstruído em estilo renascentista em 1620. No alto há um relógio e sinos que lembram a época dourada de Amsterdam. Frequentemente ainda se fazem recitais com os sinos. Eu usava essa torre para me guiar nas minhas caminhadas, pois ela é bem visível de vários pontos.

Torre reconstruída do Munttoren na praça Multiplein

Torre reconstruída do Munttoren na praça Muntplein

Próximo ao Munttoren, há o Mercado de Flores ou o Bloemenmarkt, que fica no canal Singel entre as praças Koningsplein e Muntplein. Há várias barraquinhas vendendo flores, uma variedade de tulipas, narcisos e outros bulbos e flores. É possível até mesmo comprar vasinhos com maconha plantada, uma vez que em Amsterdam são permitidos até dois vasos de maconha nas residências.

Acho muito bonito os mercados de flores que existem em algumas cidades da Europa. A profusão de cores e fragrâncias é um convite para o deleite visual e olfativo.

336 - Mercado das Flores 02

588 - Mercado das Flores 02

589 - Mercado das Flores 03

Também próximo ao Munttoren, mas no sentido oposto ao Bloemenmarkt, há outra praça bem bonita, a Rembrandt Plein, que fica perto também do museu Willet-Holthuysen, já descrito em outro post. A praça é local de encontro tanto de locais quanto turistas pela quantidade de bares e restaurantes. Na praça, uma das principais de Amsterdam, há uma estátua de Rembrandt e esculturas em bronze representando sua pintura A Ronda Noturna de 1642. Um fato interessante dessa obra é que o nome A Ronda Noturna foi erroneamente dado a pintura, cujo nome original é “A companhia militar do capitão Frans Banning Cocq e o tenente Willem van Ruytenburg”. Seja lá como for, ainda bem que mudaram o nome da obra que hoje se encontra no museu Rijksmuseum, o museu Nacional de Amsterdam.

Nessa praça aproveitei para dar um tempo na minha caminhada e comer um lanchinho, já que não havia tomado café da manhã ainda.

Esculturas em bronze na Rembrandt Plein

Esculturas em bronze na Rembrandt Plein

The Night Watch, quadro de Rembrandt que inspirou as esculturas da Rembrandt Plein

A Ronda Noturna, quadro de Rembrandt que inspirou as esculturas da Rembrandt Plein

Seguindo em frente e cruzando o rio Amstel, que deu origem ao nome da cidade, chegamos ao Muziektheater, na praça Waterlooplein, hoje conhecido como Opera e Balé Nacional Holandês em Amsterdam. O teatro é uma construção moderna e local para apresentação de ópera, balé e outras peças musicais. O Muziektheater, aberto em 1986, faz parte de um complexo chamado popularmente de Stopera, uma combinação de prefeitura (Stadhuis) e ópera.

Muziektheater visto dos canais

Muziektheater visto dos canais

Escultura no chão do interior do Muziektheater

Escultura no chão do interior do Muziektheater

Próximo ao Muziektheater fica a casa de Rembrandt, chamada Rembrandt huis, já mencionado em um post anterior. Continuando em frente, atravessamos o canal Oude Schans e logo chegamos à praça Nieuwmarkt. Nessa praça há um restaurante chamado Waag, que significa algo como Casa Pesada. De 1488, essa construção domina a praça. Originalmente fazia parte do portão de Santo Antônio. É a construção não religiosa mais antiga de Amsterdam.

O Waag já serviu como capela, museu, corpo de bombeiros, entre outros. Hoje o andar de baixo é o popular restaurante Cafe in de Waag enquanto os andares de cima são fechados ao público.

422 - Waag 02

Indo embora da praça Nieuwmarkt caminhei de volta em direção à Damrak. No caminho passei pelo Red Light District. Bom, meu albergue ficava no Red Light, então caminhei por esse bairro tanto de dia quanto de noite. Durante o dia é calmo e há menos prostitutas nas vitrines. À noite já é bem mais movimentado com pessoas indo procurar tanto as prostitutas quanto as casas de show. Também há muitos turistas curiosos ávidos por tentar tirar uma foto, no entanto é expressamente proibido fotografar ou filmar no Red Light District. Enquanto estava lá, fiquei sabendo de um turista japonês que tentou tirar uma foto com a câmera escondida dentro de um blusão. Ele porém foi descoberto por uma prostituta que saiu da janela que ela alugava, foi na direção dele e quebrou sua máquina fotográfica.

Red Light District, talvez o bairro mais famoso de Amsterdam

Red Light District, talvez o bairro mais famoso de Amsterdam

É seguro andar no bairro, porém de madrugada é mais perigoso. Como eles mesmos dizem, após certa hora da madrugada qualquer coisa pode acontecer. De qualquer forma, é sempre bom ficar atento. Qualquer lugar cheio de turistas é alvo para trombadinhas, em um bairro como o Red Light District, é um pouco pior.

A prostituição é legalizada em toda a Holanda e as prostitutas têm direitos trabalhistas garantidos, assim como assistência médica e fiscalização de boas condições de trabalho.

ssqq

Andei no bairro também à noite, fui a uma casa de show chamada Casa Rosso, a convite de um grupo de australianos que estavam dividindo o mesmo quarto que eu. O show durava menos de uma hora e consistia de algumas apresentações e interação com a plateia em uma “performance” com uma banana. Na verdade não era nada de mais, mas nas cadeiras da frente havia um grupo de japoneses bem entusiasmados. Um dos australianos que estavam comigo foi convidado para subir ao palco para morder um pedaço da banana.

casa rosso

Bom, de volta à Damrak, aproveitei para fazer um passeio de barco pelos canais de Amsterdam. Eu havia lido em um blog de viagens que o tour pelos canais era perda de tempo. Discordo. É uma ótima maneira de apreciar a arquitetura típica das casas, além de ser algo mais calmo e tranquilo após vários dias de caminhada. Quem é mochileiro sabe o quanto se caminha pelas cidades que estamos visitando.

Canais de Amsterdam, uma boa pedida passear de barco por eles

Canais de Amsterdam, uma boa pedida passear de barco por eles

Eu escolhi fazer o tour pela Rederij Plas. Há outras empresas que saem também da Damrak, mas acredito que não deva ter tanta diferença entre elas. O tour dura 1 hora e custa 10,00 euros por pessoa (valor para adultos). Os horários variam conforme a época do ano, entre abril e setembro fica aberto das 10:00 às 21:00, nos demais meses, das 10:00 às 17:00, com exceção de outubro, em que o horário de fechamento é às 18:00.

Na embarcação há áudio explicativo em holandês (claro), inglês, francês, alemão e espanhol, além de outros idiomas, então é facilmente possível acompanhar as explicações, caso a pessoa se interesse como eu. Caso contrário, é só relaxar e apreciar o passeio tranquilo.

Percurso do tour de barco pelos canais

Percurso do tour de barco pelos canais

Embarcação do tour pelos canais

Embarcação do tour pelos canais

Um dos primeiros lugares que o barco passa é pelo Schreierstoren, uma torre de frente para o porto, erguida em 1480, fazendo parte da muralha medieval da cidade. Seu nome é derivado de “torre de choro”, pois muitas mulheres iam à torre para dar adeus aos maridos que se aventuravam no mar, o eterno inimigo de Amsterdam, para irem à guerra ou simplesmente para pescaria. Hoje em dia o Schreierstoren possui uma função mais agradável, é local para casamentos e eventos. No térreo também há um café.

A torre onde as mulheres iam chorar pelos maridos que partiam rumo ao mar

A torre onde as mulheres iam chorar pelos maridos que partiam rumo ao mar

Em seguida, passamos pela belíssima construção do Scheepvaarthuis, cujo nome significa Casa Navio. O prédio é considerado uma obra prima do estilo arquitetônico de Amsterdam e foi construído entre 1912 e 1916 para ser usado como base para as companhias marítimas. Hoje o local funciona como o hotel Grand Hotel Amrâth Amsterdam, e mesmo sem hospedar nele, é possível admirar seu interior tomando um café ou outra bebida no bar.

1024px-Amsterdam_Scheepvaarthuis_001

O tour também passa pelo restaurante chinês Sea Palace, fundado em 1984, sendo o primeiro restaurante flutuante da Europa. Na sequência, vemos o museu Nemo, o museu de ciência e tecnologia cujo prédio tem formato de barco de cor verde acobreado. O museu foi desenhado pelo arquiteto italiano Renzo Piano, mais conhecido por ser o idealizador do Centre Georges Pompidou em Paris.

473 - Sea Palace

800px-NEMO_(Amsterdam)

Depois de passar por esses locais, o barco segue rumo aos canais digamos mais internos de Amsterdam, passando por outros locais como o Stopera, falado anteriormente, pelas várias pontes e pelas belas casas de canais.

424 - Amsterdam 27

392 - Amsterdam 21

Navegando pelos canais, passamos ao lado não apenas das embarcações usadas pelos moradores como meio de transporte, mas também de várias residências flutuantes bem charmosas. Na verdade, não é permitido morar em barcos, mas como o espaço em Amsterdam é pequeno e também um problema para seus habitantes, algumas pessoas acabam morando nessas habitações flutuantes. O governo faz vista grossa, não retira as casas mas também não fornece ajuda para essas pessoas, caso haja algum problema com a embarcação casa.

Casa flutuante em um dos canais de Amsterdam

Casa flutuante em um dos canais de Amsterdam

Bom, seja a pé ou navegando por seus canais, Amsterdam oferece além da variedade de museus e igrejas históricas, uma bela paisagem formada por suas casas típicas construídas a beira dos canais, pelas pontes e pelos próprios canais. Para mim, ambas as formas são válidas para conhecer a cidade, além de serem bastante agradáveis.

Deixe aqui seu comentário

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Tópicos recentes