Willet-Holthuysen faz parte de um dos 8 museus que compõe os Museus dos Canais (Canalmuseums). Esse foi o primeiro museu que visitei em Amsterdam. Quando fui, recebi um livro, logo na entrada, onde havia explicações de cada aposento da casa. É um livro bem interessante e detalhado que deve ser devolvido no final da visita. Agora há também audioguia disponível por € 2,00 nos idiomas holandês, inglês, russo, alemão, italiano, espanhol e francês.

Entrada do museu Willet-Holthuysen, um dos museus existentes em casas do século XVII nos canais de Amsterdam

Fachada do museu Willet-Holthuysen, um dos museus existentes em casas do século XVII a beira dos canais de Amsterdam

Em 1895, a senhora Louisa Willet-Holthuysen de 71 anos deixou essa casa do século XVII existente na beira do canal, para a cidade, juntamente com tudo que existia dentro dela, incluindo a coleção de arte do seu último marido Abraham Willet. O casal era colecionador de objetos de arte e esculturas, bem como de prataria, cerâmicas e porcelanas.

Uma pequena parte da coleção de prataria da família Willet Holthuysen

Uma pequena parte da coleção de prataria da família Willet-Holthuysen

A condição para a doação da casa é que essa se mantivesse como estava e se tornasse um museu. Foi o que aconteceu, o local se transformou no museu que mantém o nome da família. Hoje as peças das coleções do casal Willet-Holthuysen encontram-se distribuídas nos três andares da bela e bem decorada casa, mostrando um pouco como era a vida de famílias importantes e ricas da Holanda.

Peças de porcelana de uma das coleções da casa

Peças de porcelana de uma das coleções da casa

No térreo estão a cozinha e o jardim. Os empregados tinham que subir as escadas para levar as refeições para o andar de cima. Não devia ser muito fácil. A exceção dos demais cômodos da casa, a cozinha não é a original, ela foi reconstruída baseada nas cozinhas tradicionais das casas existentes na beira dos canais no final do século XVIII.

Cozinha no andar térreo. Os móveis são uma mistura de cozinhas existentes nas casas do século XVIII

Cozinha no andar térreo. Os móveis são uma mistura de cozinhas existentes nas casas do século XVIII

No andar de baixo ficava a mobília mais simples, pois caso houvesse alguma inundação, se perderia somente os móveis de menor valor. O mesmo se repete com as demais casas de canal em Amsterdam, uma vez que a água é uma eterna inimiga da cidade.

O jardim também foi refeito de forma a lembrar os jardins franceses do início do século XVIII. Escolheram bem a referência francesa, é um belo jardim com plantas bem distribuídas e algumas esculturas, compondo um lugar de calma e beleza

O jardim foi inspirado nos jardins franceses do século XVIII

O jardim foi inspirado nos jardins franceses do século XVIII

361 - Willet Holthuysen Museum 05

Esculturas contribuem para a beleza estética do jardim

No primeiro andar ficam a sala de jantar, salão de festas e uma sala de estar onde Louisa recebia suas convidadas, chamada de sala das mulheres, toda decorada com móveis caros estilo Luis XV, vindos de Paris. Também há a sala de jogos onde os proprietários recebiam os amigos para jogar e fumar charutos.

Detalhe do salão de jogos onde o casal Willet Holthuysen recebia os convidados

Detalhe do salão de jogos onde o casal Willet Holthuysen recebia os convidados

Era pelo primeiro andar que os donos e convidados entravam na casa. Uma vez que ele ficava acima do nível da água, mesmo em caso de enchentes, a decoração era bem mais suntuosa e elegante. As janelas da casa, assim como as de muitas outras existentes na beira dos canais, são grandes pois eram por elas que entravam a mobília.

Sala de jantar. OS empregados traziam os pratos da cozinha no andar de baixo para essa sala

Sala de jantar. Os empregados traziam os pratos da cozinha no andar de baixo para essa sala

No segundo andar ficam os quartos ricamente decorados em estilo romântico e com cama de dorsel. Para chegar ao segundo andar há uma magnífica escada decorada com belas estátuas da mitologia grega.

Escadas para o segundo andar da casa museu

Escadas para o segundo andar da casa museu

Estátuas na parte superior das escadas

Estátuas na parte superior das escadas

Não devia ser ruim morar em um casa assim, ao contrário devia ser bem agradável. Tanto a arquitetura quanto decoração e mobília formam um belo conjunto digno de um museu mesmo. Que bom que a sra Wiley- Holthuysen doou sua residência para a cidade e que seu desejo de a transformar em um museu para a comunidade poder visitar foi realizado. Dessa forma podemos vivenciar um pouquinho do que era a vida em uma casa do século XVII em Amsterdam.

Wiley- Holthuysen entrou para a lista dos museus que mais gostei em Amsterdam.

Cama em dorsel no quarto principal

Cama em dorsel no quarto principal

O museu é aberto de segunda a sexta das 10:00 as 17:00, nos finais de semana e em feriados nacionais abre mais tarde, as 11:00. O ingresso custa € 8,50 (valor para adulto). A entrada é gratuita para portadores dos cartões Stadspas, I Amsterdam Card, I Amsterdam Congress Card, Vereniging Rembrandt, ICOM, Museumkaart (residentes na Holanda) e Holland Pass voucher.

Deixe aqui seu comentário

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Tópicos recentes